Vine with a soul

Videira com alma (PT)

Vid con alma (ES)

Vine with a soul (EN)

In some of my previous articles, I briefly talked about Peru and how my life changed after that trip. What I didn’t say is that there was a special event that occurred in the Amazon that made me see life with “new eyes”.

To better contextualise what my life looked like at that moment, I have to go back in time to when my mother got sick. Diagnosed with a brain tumour, she was operated twice which left her without talking, reading, writing and very limited motion. This went on for an entire year that never seemed to come to an end. When she died, I “ran away” from Portugal (my country) and settled down in Amsterdam with my boyfriend at the time. After a couple of unfulfilling jobs, unsuccessful attempts to change my career and now a broken relationship, here I was with a plane ticket to Peru.

Immersed in the Amazon rainforest, I was fortunate enough to learn about plants with an instructor and a Shaman. One day, we went on a hike and passed by some Psychotria Viridis trees (a.k.a. Chocruna) and start picking some leaves. Later on, we mixed them up with Banisteriopsis Caapi (a.k.a. Ayahuasca) vine and other herbs and brewed it all for about eight hours straight. This remedy, most known as Ayahuasca in the ancient language of Quechua, translates to something like “vine with a soul”, has been used by indigenous people in ceremonies for thousands of years.

What happens on a chemistry level is that Chocruna contains a very high amount of DMT – a neurotransmitter found in the human body as well but broken down by enzymes. On the other hand, Ayahuasca has the capacity to inhibit those enzymes from breaking down the DMT, allowing access to altered states of consciousness.

Ayahuasca was “calling me” for a couple years at this point. I had watched documentaries, read about the plants and knew that one day I would be taking it. Perhaps I was manifesting it all along. (An article about manifestation will come out soon).

At nightfall, the Shaman got dressed up with his special garment, gathered some members of the community and four “gringos” (including myself) and the ceremony began. Facing the sunrise side, with a small glass in my hand containing the drink, I was encouraged to think about some insights I was looking for with this experience as well as giving thanks to the plants. However, as I had read before, I knew that the things plants show us are what we need and not what we want. I focused mainly in two things: connect to my mother & know the reason behind my low tolerance to pain issues and passing out quite a lot.   *

I drank the shot, sat down and waited for the effect with a peaceful mindset. When the Ayahuasca kicked in, I started seeing neon lines that formed strange shapes. These images in my mind were quite exhausting to look at and I was getting tired of it. Suddenly, I fainted and could see myself and all the others from above, as if I was out of my body. I knew that I was in another dimension. The same place that I normally go when I pass out. It is like being in a dream but with a special frequency, where I can only go when passing out. At that moment I got a download of information (very difficult to explain but something that occurs in many Ayahuasca or magic mushrooms experiences) and I simply knew that passing out was a reminder of a parallel/ passed life I had. In other words, I wasn’t supposed to forget the other life, during this lifetime and fainting was a way of being connected and reminded of that.

I then “woke up” from passing out and sat down again. I started thinking about my mother and all the pain that came with her disease and passing away – “Why did she leave us so soon? Why her? What was she going through and could not share with us? Was she mad at me for some reason?”. I felt her presence. I couldn’t see her but I knew she was around. She told me that nothing we had done differently could have stopped her from leaving us. From leaving this dimension. She had to go through everything during that year in order to learn her lessons. I couldn’t stop crying. It’s like I was crying the tears that I couldn’t cry during that year because I had to be strong. My experience went for about six hours and I saw many more things.

Ayahuasca is considered a drug in Western culture because on this side of the world most people are not as connected to plants. We are used to “put all drugs in the same bag” as if they are all addictive, damaging and disgraceful. I could not disagree more. The synthetic substances, made in labs, toxic, using specific parts of plants rather than the whole plant, alcohol etc. – those are the dangerous drugs.

Ayahuasca, Peyote, San Pedro and many more plants can be used as medicine. They have been used for thousands of years and have numerous benefits, without causing addiction. In fact some of these remedies help people with addictions, depression, anxiety and so on. Plants should be handled by those that deeply know them and can conduct ceremonies in order to help others.

Drugs on the other side, are those things we get prescribed every time we go to the doctor and complain of something. Drugs that we can get addicted to, drugs that are far more dangerous than we think, drugs that only mask the root causes of our problems. Drugs that many of us drink on a daily basis and are packed in cans or in bottles. But those drugs no one question about because they are socially acceptable.

This special event that happened in the Amazon was an Ayahuasca ceremony and it helped me tremendously with those questions I had always on my mind regarding my mother’s sickness and death. It made me accept better my issue with fainting. It changed my habit of thinking way too much about the past and brought me peace.

*  All my life I have had this undiagnosed condition, which is to faint for anything and everything. Whereas is for seeing blood, getting hurt, falling, being scared, having pain, feeling weak, draw blood, receiving bad news etc. At some point in my life I would faint a couple times a week, then it got better but never stopped happening.

Videira com alma (PT)

Nalguns dos artigos que escrevi anteriormente, falei por alto sobre o Peru e sobre como a minha vida mudou depois daquela viagem. O que eu não disse, foi que houve um acontecimento especial na Amazónia que me fez ver a vida com outros olhos.

Para melhor contextualizar como estava a minha vida naquele momento, tenho que ir atrás no tempo e parar na altura em que a minha mãe ficou doente. Diagnosticada com um tumor cerebral, foi operada duas vezes, o que a deixou sem falar, ler, escrever e com uma capacidade muito limitada de se movimentar em geral. Assim esteve durante um ano inteiro. Esse ano pareceu não ter fim. Quando ela morreu, eu “fugi” de Portugal e fui assentar em Amesterdão com o namorado que tinha na altura. Anos depois, com trabalhos que não me preenchiam, tentativas falhadas de mudar de rumo e agora de namoro terminado, ali estava eu com um bilhete de avião com destino ao Peru.

Imersa na floresta tropical da Amazónia, tive o privilégio de aprender sobre plantas com um instrutor e um Xamã. Um dia, fizemos uma caminhada onde passamos por árvores de Psychotria Viridis (mais conhecida como Chocruna) e começámos a apanhar as suas folhas. Mais tarde, misturámo-las com a videira Banisteriopsis Caapi (mais conhecida como Ayahuasca) e outras ervas para fazer uma decocção que durou cerca de oito horas. Este remédio, que se dá pelo nome de Ayahuasca na língua anciã Quechua, traduz-se para algo como “videira com alma” e tem vindo a ser usado por comunidades indígenas há milhares de anos em cerimónias.

O que acontece a nível químico é que a Chocruna contém uma dose alta de DMT – um neurotransmissor que também se encontra no corpo humano mas é decomposto por enzimas. A Ayahuasca por sua vez, tem a capacidade de impedir que as enzimas decomponham o DMT, permitindo assim o acesso a estados alterados de consciência.

A Ayahuasca já me “chamava” há um par de anos. Vi vários documentários, li sobre as plantas e sabia que um dia a iria tomar. Talvez estivesse a manifestar esta intenção já desde aí. (Um artigo sobre manifestação estará para breve.)

Ao cair da noite, o Xamã vestiu-se a rigor com uma indumentária especial, juntou alguns membros da comunidade mais quatro “gringos” (incluindo eu) e a cerimónia começou. Voltada para o lado em que nasce o sol, com um pequeno copo na mão contendo a bebida, fui encorajada a pensar na experiência que aí vinha bem como agradecer às plantas. No entanto sabia, como tinha lido anteriormente, que o que as plantas nos mostram é aquilo que nós precisamos e não aquilo que nós queremos. Foquei-me sobretudo em duas coisas: contactar com a minha mãe & saber a razão por detrás da minha baixa tolerância às dores e o facto de desmaiar demasiadas vezes.* 

Assim que o efeito da Ayahuasca arrancou, comecei a ver linhas néon que formava formas estranhas. Essas imagens na minha cabeça eram muito exaustivas e eu comecei a ficar cansada de as ver. Subitamente desmaiei e conseguia ver-me ali deitada no chão e a todos os outros participantes na cerimónia de uma perspectiva de cima, como se estivesse fora do meu corpo. Sabia que estava noutra dimensão. O mesmo sítio para onde vou sempre que desmaio. É como se estivesse num sonho mas com uma frequência muito própria à qual só tenho acesso quando desmaio. Nesse momento tive uma “transferência” de informação (muito difícil de explicar mas é algo que acontece com muitas pessoas que tomam Ayahuasca ou cogumelos mágicos) e simplesmente sabia agora que desmaiar era um lembrete de uma vida paralela/ passada que eu tive. Por outras palavras, durante esta minha vida era suposto eu não me esquecer daquela outra vida e desmaiar era assim a forma de me manter ligada a ela.

Depois “despertei” do desmaio e sentei-me de novo. Comecei a pensar na minha mãe e na tamanha dor que veio com a doença e morte dela – “Porque é que ela nos deixou tão cedo? Porquê ela? Quais seriam as coisas pelas quais ela tinha passado e não podia partilhar connosco naquela condição? Estaria ela zangada comigo por alguma razão?” Senti a sua presença. Não a conseguia ver mas sabia que ela estava ali comigo. Ela disse-me que mesmo que as coisas tivessem sido feitas de forma diferente aquando da sua doença, nada iria mudar o seu rumo. Que ela tinha que passar por tudo aquilo que passou durante aquele ano para que pudesse aprender as suas lições. Nada que nós fizéssemos iria prevenir aquele fim e deixar esta dimensão. Eu não conseguia parar de chorar. Era como se tivesse a derramar as lágrimas que não pude chorar durante um ano inteiro pois tinha que ser forte. A minha experiência durou cerca de seis horas e vi muitas outras coisas.

A Ayahuasca é considerada uma droga na cultura ocidental porque neste lado do mundo a maior parte das pessoas não estão assim tão ligadas às plantas. Estamos habituados a meter as drogas “todas no mesmo saco” como se todas fossem viciantes, prejudiciais e indignas. Eu não poderia estar mais em desacordo. As substâncias sintéticas, feitas em laboratório, tóxicas, usando apenas partes específicas das plantas, álcool etc. – essas são as drogas prejudiciais.

Ayahuasca, Peyote, San Pedro entre muitas outras plantas podem ser usadas como medicamento. São usadas há milhares de anos e têm inúmeros benefícios, sem causar dependências. Na realidade alguns destes remédios podem ajudar pessoas com vícios, depressão, ansiedade e por aí fora. As plantas deveriam ser usadas por aqueles que as conhecem e que sabem conduzir cerimónias para ajudar os outros.

Drogas no sentido da palavra, são aquelas coisas que nos receitam sempre que vamos ao médico queixando-nos de alguma coisa. Drogas que nos deixam dependentes, drogas que são muito mais perigosas do que nós pensamos, drogas que só mascaram a raiz ou a causa dos nossos problemas. Drogas que muitas pessoas consomem diariamente e que estão embaladas em latas, garrafas e pacotes de cartão.. Mas essas drogas ninguém questiona porque são socialmente aceites.

Este acontecimento especial que vivi na Amazónia chamado “cerimónia de Ayahuasca” ajudou-me tremendamente com aquelas questões que tinha sempre na minha cabeça sobre a doença e morte da minha mãe. Fez-me aceitar melhor a minha tendência para desmaiar. Mudou o meu hábito de pensar demasiado sobre o passado e trouxe-me paz.

*  Toda a minha vida tive esta condição sem diagnóstico que faz com que eu desmaie por tudo e por nada. Seja por ver sangue, magoar-me, cair, assustar-me, sentir dor, sentir fraqueza, tirar sangue, receber más notícias etc. Numa altura da minha vida desmaiava duas vezes por semana, depois melhorou mas nunca deixou de acontecer.

Vid con alma (ES)

En algunos de los artículos que escribí anteriormente, hablé por encima sobre mi viaje a Perú y sobre cómo mi vida cambió después de aquel viaje. Lo que no dije, fue que hubo un acontecimiento especial en Amazonia, que me hizo ver la vida con otros ojos.

Para mejor contextualizar cómo estaba mi vida en ese momento, tendré que retroceder en el tiempo y parar en el momento en que mi madre se enfermó. Diagnosticada con un tumor cerebral, fue operada dos veces, lo que la dejó sin hablar, leer, escribir y con una capacidad muy limitada de moverse en general. Así estuvo durante un año entero. Este año pareció no tener fin. Cuando murió, me “escapé” de Portugal y me establecí en Amsterdam con el novio que tenía en el momento. Años después, con trabajos que no me llenaban, intentos fallidos de cambiar de rumbo y ahora la ruptura con mi pareja, allí estaba yo con un billete de avión con destino a Perú.

Inmersa en la selva tropical de la Amazonia, tuve el privilegio de aprender sobre plantas con un instructor y un chamán. Un día, hicimos una caminata donde pasamos por árboles de Psychotria Viridis (más conocida como Chochuna) y empezamos a coger sus hojas. Más tarde, las mezclamos con la vid Banisteriopsis Caapi (más conocida como Ayahuasca) y otras hierbas para hacer una decocción que duró cerca de ocho horas. Este remedio, que se da por el nombre de Ayahuasca en la lengua anciana Quechua, se traduce a algo como “vid con alma” y ha sido utilizado en ceremonias por comunidades indígenas desde hace miles de años hasta los días de hoy.

Lo que ocurre a nivel químico es que la Chocuna contiene una dosis alta de DMT – un neurotransmisor que también se encuentra en el cuerpo humano pero es descompuesto por enzimas. La Ayahuasca a su vez, tiene la capacidad de impedir que las enzimas descompongan el DMT, permitiendo así el acceso a estados alterados de conciencia.

La Ayahuasca ya me ”llamaba” hace un par de años. Vi varios documentales, leí sobre las plantas y sabía que un día la tomaría. Quizás estuviera manifestando esta intención desde entonces. (Un artículo sobre manifestación estará para breve.)

Al caer la noche, el chamán se arregló y vistió una indumentaria especial, juntó a algunos miembros de la comunidad y a cuatro “gringos” (incluyendo yo) y la ceremonia comenzó. Vuelta hacia el lado en que nace el sol, con un pequeño vaso en la mano conteniendo la bebida, fui alentada a pensar en la experiencia que que me esperaba bien como a agradecer a las plantas. Sin embargo sabía, como había leído anteriormente, que lo que las plantas nos muestran es lo que necesitamos ver y no lo que queremos. Me enfoqué sobretodo en dos cosas: contactar con mi madre y saber la razón detrás de mi baja tolerancia a los dolores y el hecho de desmayarme demasiadas veces. *

Cuando el efecto de la Ayahuasca arrancó, empecé a ver líneas neón que formaban formas extrañas. Estas imágenes en mi cabeza eran muy exhaustivas y empecé a cansarme de verlas. De repente me desmayé y conseguí verme allí acostada en el suelo y a todos los demás participantes en la ceremonia desde una perspectiva de arriba, como si estuviera fuera de mi cuerpo. Sabía que estaba en otra dimensión. El mismo sitio donde voy siempre cuando desmayo. Es como si estuviera en un sueño pero con una frecuencia muy propia a la que sólo tengo acceso cuando desmayo. En ese momento tuve una “transferencia” de información (muy difícil de explicar pero es algo que sucede con muchas personas que toman Ayahuasca o hongos mágicos) y simplemente ahora sabía que desmayarme era un recordatorio de una vida paralela / pasada que tuve. En otras palabras, durante esta vida se suponía que no debía olvidarme de aquella otra vida y desmayarme era una forma de mantenerme ligada a ella.

Después “desperté” del desmayo y me senté otra vez. Empecé a pensar en mi madre y en el dolor que vino con su enfermedad y muerte – ¿Por qué nos dejó tan temprano? ¿Porque ella? ¿Cuáles serían las cosas por las que había pasado y no podía compartir con nosotros en aquella condición? ¿Estaría mi madre enfadada conmigo por alguna razón?Sentí su presencia. No la podía ver pero sabía que ella estaba allí conmigo. Me dijo que aunque las cosas se hubieran hecho de forma diferente durante su enfermedad, nada cambiaría su rumbo. Que ella tenía que pasar por todo lo que pasó durante aquel año para que pudiera aprender sus lecciones. Nada que hiciéramos podría haber impedido aquél final ni que dejara esta dimensión. Yo no podía parar de llorar. Era como si tuviera que derramar todas las lágrimas que no pude llorar durante todo un año entero porque en aquel momento tenía que ser fuerte. Mi experiencia duró unas seis horas y vi muchas más cosas.

La Ayahuasca es considerada una droga en la cultura occidental porque en este lado del mundo la mayor parte de las personas no están muy conectada com las plantas. Estamos acostumbrados a meter todas las drogas “en la misma caja” como si todas fueran adictivas, perjudiciales e indignas. No podría estar más en desacuerdo. Las sustancias sintéticas, hechas en laboratorio, tóxicas, usando sólo partes específicas de las plantas, alcohol, etc. – éstas son las drogas perjudiciales.

Ayahuasca, Peyote, San Pedro entre muchas otras plantas pueden ser usadas como medicinas. Se utilizan desde hace miles de años y tienen innumerables beneficios, sin causar dependencias. En realidad algunas de estas medicinas pueden ayudar a las personas con adicciones, depresión, ansiedad y por ahí. Las plantas deberían ser usadas por aquellos que las conocen y que saben conducir ceremonias para ayudar a los demás.

Drogas en el sentido de la palabra, son aquellas cosas que nos recetan siempre que vamos al médico quejándonos de algo. Drogas que nos dejan adictos, drogas que son mucho más peligrosas de lo que pensamos, drogas que sólo enmascaran la raíz o la causa de nuestros problemas. Drogas que muchas personas consumen diariamente y que están envasadas en latas, botellas y paquetes de cartón .. Pero esas drogas nadie cuestiona porque están aceptadas socialmente.

Este acontecimiento especial que viví en Amazonia llamado “ceremonia de Ayahuasca” me ayudó tremendamente con aquellas cuestiones que tenía siempre en mi cabeza sobre la enfermedad y muerte de mi madre. Me hizo aceptar mejor mi tendencia a desmayarme. Cambió mi hábito de pensar demasiado sobre el pasado y me trajo paz.

*  Toda mi vida he tenido esta condición sin diagnóstico que me hace desmayar por todo y por nada. Por ver sangre, hacerme daño, caer, asustarme, sentir dolor, sentir debilidad, sacar sangre para analiticas, recibir malas noticias, etc. En una época de mi vida se desmayaba dos veces por semana, después mejoró pero nunca dejó de suceder.

Give a kiss to grandma!

Give a kiss to grandma! (EN)

Dale un besito a la abuela! (ES)

Dá um beijinho à avó! (PT)

Desde Outubro que quero escrever este artigo. Venho falar sobre algo que levantou alguma polémica em meados desse mês. Na altura estávamos a preparar o lançamento do blog, e por um lado não quis começar logo “a matar” com um tema tão controverso, por outro não queria escrever de cabeça quente nem que este texto fosse lido sob esse efeito de reação automática. Agora que a poeira já assentou sobre este tema, tenho o gosto de me questionar e vos pôr a questionar também.

Para quem não esteve a par da tal polémica passo a explicar o que aconteceu. No dia 16 de Outubro num programa de debate da RTP (canal público de televisão portuguesa), chamado Prós e Contras, discutiu-se o movimento #MeToo e as suas consequências a nível social em Portugal e no mundo. Durante o debate um professor universitário disse uma frase que chocou muita gente. A frase dita por Daniel Cardoso (o professor) foi: “A educação é quando a avózinha ou o avôzinho vai lá a casa e a criança é obrigada a dar o beijinho à avózinha ou ao avôzinho. Isto é educação, estamos a educar para a violência sobre o corpo do outro e da outra desde crianças. Obrigar alguém a ter um gesto físico de intimidade com outra pessoa como obrigação coerciva é uma pequena pedagogia que depois cresce.”.

Eu não vejo televisão, mas através do facebook apercebi-me deste fenómeno. E foi lá que vi levantar-se uma onda de verdadeiro ódio para com uma pessoa que não tinha feito mais do que dar a sua opinião. Os insultos iam de parvo para cima (ou a expressão correcta seria para baixo, já que o nível também baixava?) e além de discordarem, em letras maiúsculas e com muitos pontos de exclamação, da ideia de que não se devem obrigar as crianças a beijar os avós (porque essas pessoas, que insultavam, tinham também elas sido obrigadas a dar beijos aos avós e continuavam de “boa saúde”; ou porque obrigavam os filhos a fazê-lo e queriam reafirmar que estavam a fazer o correcto), a maioria aproveitou para meter ao barulho a aparência física do Daniel, as suas relações pessoais e os seus gostos sexuais (todos considerados bastante fora do normal dentro dos parâmetros da nossa sociedade).

Eu até percebo a reação emocional das pessoas que procederam assim. Afinal toca-nos profundamente o ego quando alguém vem dizer que, uma das coisas que aceitamos como normais e por isso correctas (temos tendência para erroneamente correlacionar uma coisa com a outra), é afinal uma prática nociva. E como a maioria das pessoas não quer ir realmente ao fundo da questão, questionando-se verdadeiramente sobre o tema, é mais fácil serem infantis e atirar como argumentos coisas que não têm nada a ver com o que foi declarado pelo Daniel, como o facto de ele ter o cabelo comprido e uma aparência pouco masculina (a sério, mas que raio é que isso interessa para a conversa dos beijos aos avós?).  

Vamos então começar o exercício de pensar realmente sobre o assunto. Quais são os prós e contras de obrigar uma criança a dar um beijinho aos avós, ou a qualquer outra pessoa – seja a mãe, a tia afastada ou o amiguinho da escola?

Pró: A criança aprende que se deve cumprimentar as pessoas, mesmo quando não apetece, e que cumprimentar tem que ser através de contacto físico e alguma intimidade, como a que requer o beijo na cara. Contra: Acima está uma lição sem pés nem cabeça, primeiro porque mesmo nós (os adultos) às vezes ,por alguma razão, não cumprimentamos pessoas que conhecemos, depois porque existem mais formas de cumprimentar sem ter que beijar ou mesmo sem entrar em contacto físico.

Pró: A criança aprende que deve fazer o que se lhe manda e o que se lhe manda fazer é o correcto, porque os mais velhos é que sabem. Contra: Mas às vezes os mais velhos não sabem tudo, não sabem o que se passa dentro da cabeça da criança, nem compreendem as razões que ela possa ter para não querer beijar alguém, e essas razões devem ser consideradas tão boas como as que possas ter tu ou eu como adult@ para não querer beijar alguém (imagina que te obrigavam!). E sobretudo não me parece assim tão benéfico que uma criança aprenda que o que os mais velhos dizem, está à partida correcto, sem questionar. Isso é o que produz pessoas que não pensam pelas próprias cabeças, e não queremos educar pessoas dessas, certo?

Pró: Ensinamos à criança a ter respeito pelos mais velhos. Contra: Coagir alguém a fazer algo não ensina respeito, ensina obediência cega.  

Pró: A avó fica contente de ter ganho um beijo d@ net@. Contra: Se explicarmos à avó (ou a quem seja) porque é que não obrigamos a dar beijos talvez ela até perceba. E mais, se a avó eventualmente deixar de pedir beijos à criança esta, por iniciativa própria, pode vir a dar-lhe mais carinho quando realmente lhe apetecer, e isso certamente fará a avó mais feliz que um beijo de raspão por obrigação.  

Desafio quem não está de acordo a dizer-me então afinal o que é que se ganha obrigando as crianças a dar beijos às pessoas.

Eu não me lembro de que alguma vez me tivessem que obrigar a dar beijos aos meus avós, acho que sempre o fiz de livre vontade. Mas lembro-me bem de me fazerem dar beijos a outras pessoas, lembro-me principalmente de ir de mão dada com a minha avó no bairro onde ela vivia, e que sempre que encontrava uma amiga me pedia para eu as cumprimentar com um beijinho. Lembro-me que eram velhotas estranhas para mim, com cheiros esquisitos e com bigodes que pareciam picar ou lábios que pareciam deixar baba pelo caminho. Era normal que eu não tivesse nenhum interesse em beijá-las, e na verdade também não vejo o que nenhuma das partes ganhava com todo aquele “teatro” (nem eu, nem a minha avó, nem as amigas dela).

Eis que agora podem vir os defensores do “não vem nenhum mal ao mundo por fazer as crianças dar beijos a quem quer que seja “ porque, ao que parece, eu própria fui obrigada e não tive nenhum problema por causa disso. E eu digo: Nisso é que vocês se enganam!

O que vou partilhar a seguir sabem-no muito poucas pessoas. É um assunto que durante muito tempo da minha vida me provocou vergonha, e muita revolta. Quanto à vergonha, hoje em dia sei que não sou eu quem a deve sentir, e quanto à revolta não está completamente ultrapassada, e talvez nunca esteja.

Quando era pequena, um senhor que tinha idade para ser meu avô insistia em tocar-me de maneira pouco normal – isso era como eu via a coisa naqueles tempos. Hoje sei que ele me apalpava em zonas do corpo onde quem o faz é descrito como pedófilo. Na altura só me parecia estranho, ele fingia que me fazia cócegas para me pôr a mão no rabo e entre as pernas. Ou pedia que me sentasse no colo dele para ‘fazer o cavalinho’ quando na verdade o que fazia era esfregar-se em mim de uma maneira que hoje (não naquela altura) reconheço como sexual. Eu via este senhor várias vezes por semana, porque ele trabalhava para o meu pai e, apesar de na altura eu não ter discernimento para juntar dois mais dois (literalmente), só me fazia aquilo quando não havia mais adultos por perto. Eu fui ensinada que os mais velhos faziam o correcto, que devia aceitar as demonstrações de carinho dos mais velhos sem me queixar, e que tinha que respeitar as pessoas mais velhas. Isso fez-me aguentar estas práticas esquisitas, que me deixavam muito desconfortável, sem falar do assunto a nenhum outro adulto porque achava que não havia nada para contar.

Até que um dia este senhor nos chamou à minha irmã e mim para dentro de uma pequena sala de arquivo e fechou-nos lá dentro. Disse-me para eu ficar quieta de cara virada para a porta e, com os joelhos dobrados, pois eu ainda era bastante mais baixa que ele, começou a esfregar-se no meu rabo, com um movimento de pernas e ancas. Aquilo finalmente fez-me desconfiar que algo não batia certo. Apesar de ser tão pequena aquele episódio provocou-me muita vergonha. Lembro-me de dizer à minha mãe chorando que não queria que o meu pai me levasse mais para o trabalho dele. A minha mãe achou estranho porque eu até gostava de ir para lá, porque me entretinha com máquinas de escrever, calculadoras e outros tesouros tecnológicos aos quais não tinha acesso noutro sítio. E a muito custo e depois de muitas lágrimas, porque eu tinha vergonha de pôr aquele acto em palavras, lá contei à minha mãe o que tinha sucedido e também contei sobre os apalpões e outras coisas que achava esquisitas. A minha irmã confirmou a minha história. Eu tinha tanta vergonha que pedi à minha mãe que me prometesse que não diria ao meu pai que lhe tínhamos contado tudo isto. Tinha tanta vergonha que não podia sequer suportar ter que falar com o meu pai directamente sobre o acontecido se ele me perguntasse. A minha mãe falou com o meu pai e disse-lhe tinha ouvido uma conversa minha e da minha irmã sobre aquilo. A minha irmã e eu nunca mais fomos deixadas a sós com aquele senhor, mas ele continuou lá por muitos mais anos.

Voltando à minha revolta. Não, eu não vou dizer quem foi o pedófilo que me molestou quando eu era criança, nem sei se aquele homem ainda está vivo, e de qualquer forma não tenho nenhuma prova para além das minhas memórias. Não estou revoltada para com a minha mãe, que não tomou medidas mais assertivas (as que eu acho que tomaria se estivesse no lugar dela hoje), nem com o meu pai por não ter tentado perceber realmente o que tinha passado e por ter deixado que aquele homem continuasse a trabalhar para ele. Muito menos a minha revolta é para com a minha avó que me obrigava a dar beijos a outras pessoas mais velhas.

Sei que se tivesse sido educada para saber que a intimidade necessita consentimento e que não está certo que uma pessoa mais velha, só por o ser, possa exigir um certo nível de intimidade física comigo, em vez de aprender que é preciso dar beijinhos aos mais velhos quando estes pedem ou outro adulto o comanda… se tivesse sido educada para me respeitar, e lutar para que me respeitassem, em vez de ter de respeitar os mais velhos, só por questão de idade… se tivesse sido educada para pôr o meu desejo e o meu conforto diante de qualquer que seja a satisfação (não percebo realmente) que alguém obtém por conseguir ganhar um beijo de uma criança contrariada …se tudo isto tivesse acontecido assim e não assado talvez eu nem tivesse dado a primeira oportunidade a este homem para me molestar e talvez nunca tivesse que passar por tudo isto. Ainda hoje penso que se eu não me tivesse assustado tanto com aquele último episódio, um bastante mais traumático podia ter-se seguido.

Mas eu também não me sinto revoltada pela minha educação não ter sido diferente. O que realmente me revolta é que nos dias de hoje, com toda a informação que temos, e com pessoas finalmente dispostas a falar abertamente destes assuntos, ainda haja gente quem se recusa a questionar práticas “normais” só porque elas se fizeram assim a vida toda. O que me revolta é que tanta gente que eu considero inteligente, sem pensar cinco minutos sobre o assunto, teve a necessidade de repudiar uma opinião que sei que é bem válida.

Quando alguém tenta forçar crianças a cumprimentarem-me com um beijo eu sou a primeira a dizer que não quero. E quando (se alguma vez) tiver filh@s não @s vou obrigar a dar beijos aos avós, nem às tias, e nem a mim mesma. Se alguém achar que as minhas “crias” são mal-educadas por não beijarem à demanda, problema deles, eu não acho que o objectivo deva ser criar paus mandados, mas sim educar seres pensantes.


Give a kiss to grandma! (EN)

Today, I’m writing about something that generated some controversy in Portugal, last mid-October and since then I was willing to write this article. At that time, we were preparing to launch this blog and for that reason I didn’t want to start with such a controversial topic.

As the english readers might not be familiar with this polemic subject, I will first explain what happened. On the 16th of October, there was a debate on RTP channel (public Portuguese channel) called “Pros & Cons”, where the movement #MeToo and its consequences in Portugal and abroad, were discussed on a social level. During the debate, a university Professor called Daniel Cardoso, said something that shocked many people. The phrase was: “Education is resumed to when grandma or grandpa come to visit and the child is obligated to give a kiss to grandma or grandpa. This is the education, we are educating on violence regarding one’s body since early age. Forcing someone to have a physical and intimate gesture with such coercive obligation with another person is considered a small pedagogy that later on will grow.”.

To those who don’t know Portuguese culture, we kiss people on both cheeks to greet them and we are taught to do so since a very early age.

I don’t watch TV, but this phenomenon reached me through Facebook. There, I saw a surge of deep hatred arising towards someone that had not done anything but express his opinion. The insults were beyond foolish and besides disagreeing, with capital letters and many exclamation marks, with the idea that kids should not be forced to kiss their grandparents (because those insulting were too obligated to kiss their grandparents and remained “all right”; or because they obligate their own children to do the same and wanted to reaffirm that this was the right thing to do), the majority took advantage of the situation to comment on Daniel’s physical appearance, his personal relationships and sexual orientation (all considered abnormal among our society standards).

I even understand people’s emotional reaction when reacting in this way. After all, our ego gets profoundly touched when someone tells us that, something we accept as normal and thus correct (we have a tendency to correlate erroneously both things), is in the end of the day detrimental. As most people are not willing to dig deep to the bottom of the issue, truly questioning about the subject, it is easier to be childish and throw a bunch of arguments that nothing have to do with what Daniel said in the first place, such as commenting on his long hair and his lack of masculine appearance (really? how the hell is this related to the topic about kissing the grandparents?).

Let’s get to an exercise to really start thinking about this issue. What are the pros and cons of forcing a child to kiss their grandparents, or whoever it is – whether is the mother, the estranged aunt or a friend in school?

Pro: The child learns that they should greet people, even when they don’t feel like it, and that greeting has to be with physical contact and some intimacy, such as a cheek kiss requires. Con: Above is a non sense lesson because even adults sometimes don’t greet acquaintances for some reason and also because there are more ways of greeting others with no need for kisses or any physical contact.

Pro: The child learns that they should do what they are taught to do and that what they are taught is correct, because older people know better. Con: Except that older people don’t always know better, they don’t know what lies inside a child’s head, nor understand the reasons behind a child not wanting to kiss someone, and those reasons should be considered as good as the reasons you or I have as adults to not want to kiss someone (picture that you were obligated to!). And above all, it doesn’t seem beneficial to me if a child learns that what older people say is, from the outset, correct without questioning it. That’s exactly what generates people that cannot think for themselves and we do not want educate such people, do we?

Pro: We teach the child to have respect for older people. Con: Compel someone to do something does not teach respect, it teaches blind obedience.

Pro: The grandma is happy because she got a kiss from her grandchild. Con: If we explain to the grandma (or any other person) why we don’t force the child to kiss her, perhaps she can understand. More, eventually if the grandma stops requesting kisses from the child, they can end up giving her more affection from their own initiative, when they feel like doing it, and that will certainly make the grandma happier that gaining a forced glancing kiss.

I challenge those who don’t agree, to tell me what do we gain by forcing children to give kisses to people.

I do not recall ever being forced to give a kiss to my grandparents, I guess I did it with free will. However, I do remember being asked to kiss other people. Mostly older ladies, as I joined my grandma for a walk at her neighbourhood and every time we met one of her friends, she would kindly ask me to greet them with a kiss. I recall that I considered them as outsiders, with weird smells and facial hair that seemed to prick or lips that would drool all over my face. It seems reasonable to me that I wasn’t keen to kiss them and in truth I can’t see what any of us would gain with this “theatrical performance” (my grandma, her friends or myself).

And here can come the advocates of “I don’t see what harm can be done by obligating kids to kiss whoever it is” because, just as I said, I was too obligated and didn’t have any problem because of that. And my answer is: You have no idea!

What I’m about to share here, not many people know. It’s a subject that created shame for quite a long time in my life, and lots of outrage too. With respect to the shame, I know nowadays that it isn’t me who should feel it, and regarding the outrage it is not completely surpassed, and perhaps will never be.

When I was a child, a man that was as old as my grandfather, insisted in touching me in a rather strange way – that’s how I saw things back then. Today I know that he would touch my body in such areas where those who do are called pedophiles. At the time, it seemed odd to me, he would pretend to tickle me just to touch my butt or between my legs. He would also ask me to sit on his lap to “play horsey” when in fact what he just wanted was to rub himself on me in a way that today (not back then) I acknowledge as sexual. I encountered this man several times a week as he was my dad’s employee and, despite my lack of discernment to put two and two together (literally), he would only do those things when there were no other adults around. I was taught that older people did the right thing, that I should accept affection demonstrations for them without complaining, and to respect them. That made me put up with those weird acts, that would would make me feel very uncomfortable, without even mentioning it to any adult because I thought there was nothing to tell.

Until one day, this man took my sister and I to a small archive room and locked us inside with him. He told me to be quiet and facing the door, he bent his knees (because I was way shorter than him) and started to rub his parts in my butt, moving legs and hips. I realised then that something here wasn’t right. Despite being just a child that happening caused me a lot of shame. I recall telling my mother, with tears rolling down my face, that I no longer wanted my father to bring me to his workplace. My mother found this to be strange because going to my dad’s office was something that I enjoyed as I would get amused by the typewriter, calculators and other tech treasures to which I didn’t have access in any other place. Somehow, many tears later as I had so much shame to put that episode in words, I finally explained to my mom what had happen, together with the other odd stuff that he had done before. My sister confirmed my story. Again, my shame was such that I asked my mother to promise not to tell my father what she had just learned from us. This shame prevented me from even thinking about talking about this issue directly with my dad, if I was eventually queried by him. My mother then talked to my father and said that she had heard my sister and I chat about it. Both my sister and I were never again let alone with this man, however he ended up still working there for many more years.

Back to my outrage. No, I won’t say who is the pedophile that molested me when I was a young girl, I don’t even know if he is still alive, and besides my memories no other proof remained. I’m not outraged at my mother, that didn’t take the best measures (those measures that I would take today if I was in her position), nor at my father for not trying to understand what was really happening and to keep that man as an employee. My revolt is even less towards my grandma that obligated me to kiss other elderly people.

I know that if I was brought up to understand that intimacy requires consent and that it is not ok when an older person claims a certain intimacy level with me, instead of learning that it’s necessary to give kisses to older people by their or other adults request… if I was to be raised to respect myself and strive to be respected by others, instead of having to respect older people only because of their age… if I was brought up to place my desire and comfort above other people’s satisfaction for getting a kiss from a countered child…if only all of this had happened in this way and no other, maybe I would have never given this man the first chance to molest me and perhaps would never been through all of this. To this day I think that, had I never been so scared with that last event, a much more traumatising one could have succeeded.

I can’t say that I feel revolt due to the way I was brought up. What is outraging to me is that nowadays, with all the information we have available, and with people open to talk about these topics, is that still to this day there are people who refuse to question “normal” practices just because that’s how they have been done so far. What is outraging to me is that so many people that I consider as intelligent, without even taking five minutes to think about the subject, had the need to repudiate a valid opinion.

When someone tries to force a child to greet me with a kiss, I’m the first to say that I don’t want it. And when (if anytime) I’ll have my own children, they won’t be obligated to kiss their grandparents, nor aunts, nor even myself. If anyone will think that my kids are ill-mannered just because they don’t greet with a kiss, I can’t even bother. I don’t think that the goal is to raise “rubber stamps” but rather individuals that can think.


¡Dale un besito a la abuela! (ES)

Desde octubre que quiero escribir este artículo. Vengo a hablar sobre algo que ha levantado alguna polémica en Portugal a mediados de ese mes. En ese momento estábamos preparando el lanzamiento del blog, y no quise empezar tan pronto con un tema tan controvertido.

Es normal que l@s lector@s hispanohablantes no estuvisteis al tanto de esa polémica por lo que paso a explicar lo que sucedió. El 16 de octubre en un programa de debate en RTP (canal de la televisión pública portuguesa) llamado “Prós e Contras” (Pros y Contras), se discutió el movimiento #MeToo y sus repercusiones sociales en Portugal y en el mundo. Durante el debate un profesor universitario dijo una frase que chocó a mucha gente. La frase dicha por Daniel Cardoso (el profesor) fue: “Educación es cuando la abuelita o el abuelito van a la casa y se obliga al crío a dar un besito a la abuelita o al abuelito.  Esto es educación, estamos educando para la violencia sobre el cuerpo del otro y de la otra desde niñ@s. Obligar alguien a tener un gesto físico de intimidad con otra persona como obligación coercitiva es una pequeña pedagogía que después crece”.

Yo no veo la tele, pero a través de facebook me dí cuenta de este fenómeno. Y fue allí donde vi levantarse una ola de verdadero odio hacia una persona que no había hecho más que dar su opinión. Los insultos iban de tonto p’arriba (o quizás la expresión correcta sería p’abajo, ya que el nivel también bajaba) e además de discrepar, en letras mayúsculas y con muchos puntos de exclamación, de la idea de que no se deben obligar a los niños a besar a los abuelos (porque esas personas, que insultaban, también habían sido obligadas a dar besos a los abuelos y continuaban de “buena salud”, o porque obligaban a sus hijos a hacerlo y querían reafirmar que estaban haciendo lo correcto) la mayoría aprovechó para incluir en la discusión la apariencia física de Daniel, sus relaciones personales y sus gustos sexuales (todos considerados bastante fuera de lo normal dentro de los parámetros de nuestra sociedad).

Yo hasta entiendo la reacción emocional de las personas que procedieron así. Al final nos toca profundamente el ego cuando alguien viene a decir que una de las cosas que aceptamos como normales y por eso correctas (tenemos la tendencia para erróneamente correlacionar una cosa con la otra), es una práctica nociva. Y como la mayoría de la gente no quiere ir realmente al fondo de la cuestión, preguntándose verdaderamente sobre el tema, es más fácil ser infantil y disparar como argumentos cosas que no tienen nada que ver con lo que fue declarado por Daniel, como el hecho de él llevar el pelo largo y tener una apariencia poco masculina (¡en serio!,¿ pero qué diablos interesa eso para la conversación de los besos a los abuelos?).

Empecemos el ejercicio de pensar realmente sobre el tema. ¿Cuáles son los pros y contras de obligar a un niño a dar un beso a los abuelos, o a cualquier otra persona – ya sea la madre, la tía alejada o el amiguito de la escuela?

Pro: La niña o el niño aprende que se debe saludar a las personas, incluso cuando no apetece, y que saludar tiene que ser a través de contacto físico y alguna intimidad, como la que requiere el beso en la cara. Contra: Arriba está una lección sin pies ni cabeza, primero porque incluso los adultos a veces no saludamos a las personas que conocemos por alguna razón, después porque hay más formas de saludar a las personas sin tener que besar o incluso sin entrar en contacto físico.

Pro: La niña o el niño aprende que debe hacer lo que se le manda y que lo que se le manda hacer es lo correcto, porque los mayores son los que saben. Contra: Pero a veces los mayores no saben todo, no saben lo que pasa dentro de la cabeza del@ niñ@, ni comprenden las razones que él/ella pueda tener para no querer besar a alguien, y esas razones deben ser consideradas tan buenas como las que podamos tener tu y yo como adult@s para no querer besar a alguien (¡imagina que te obligan!). Y sobre todo no me parece tan beneficioso que un@ niñ@ aprenda que lo que los mayores dicen está desde un principio correcto, sin cuestionar. Eso es lo que produce personas que no piensan por las propias cabezas, y no queremos educar a personas así, ¿verdad?

Pro: Enseñamos al@ niñ@ como tener respeto por los mayores. Contra: Coaccionar a alguien a hacer algo no enseña respeto, enseña obediencia ciega.

Pro: La abuela se queda contenta de haber ganado un beso del nieto o de la nieta. Contra: Si le explicamos a la abuela (o a quien sea) porque no obligamos a dar besos quizás ella lo entienda. Y más, si la abuela eventualmente deja de pedir besos al@ niñ@ est@, por iniciativa propia, puede venir a darle más cariño cuando realmente le apetezca, y eso ciertamente hará la abuela más feliz que un beso de raspón por obligación.

Desafío a quien no está de acuerdo que me diga entonces lo que se gana obligando a l@s niñ@s a dar besos a las personas.

Yo no recuerdo que alguna vez me tuvieran que obligar a dar besos a mis abuel@s, creo que siempre lo hice de libre voluntad. Pero recuerdo bien de sí que me hacían dar besos a otras personas, recuerdo principalmente cuando iba con mi abuela por el barrio donde ella vivía, y como siempre que encontraba una amiga me pedía que yo las saludara con un besito. Recuerdo que eran viejitas extrañas para mí, con olores extraños y con bigotes que parecían picar o labios que parecían dejar babas por el camino. Era normal que yo no tuviera ningún interés en besarlas, y en realidad tampoco veo lo que ninguna de las partes ganaba con todo aquel teatro (ni yo, ni mi abuela, ni sus amigas).

Y ahora pueden venir los defensores del “no viene ningún mal al mundo por hacer los niños dar besos a cualquiera que sea” porque, al parecer, yo misma fui obligada y no tuve ningún problema a causa de eso. Y yo digo: ¡Es en eso que ustedes se equivocan!

Lo que voy a compartir a continuación lo saben muy pocas personas. Es un tema que durante mucho tiempo de mi vida me provocó vergüenza, y mucho enojo. En cuanto a la vergüenza hoy en día sé que no soy yo quien la deba sentir, y en cuanto al enojo no está completamente superado, y quizás nunca lo esté.

Cuando era pequeña, un señor que tenía edad para ser mi abuelo insistía en tocarme de manera poco normal – eso era como yo veía la cosa en aquellos tiempos. Hoy sé que él me palpaba en zonas del cuerpo donde quien lo hace es descrito como pedófilo. En la época sólo me parecía extraño, él fingía que me hacía cosquillas para ponerme la mano en el cilo y entre las piernas. O me pedía que me sentara en sus piernas para ‘hacer el caballito’ cuando en realidad lo que hacía era frotarse en mí de una manera que hoy (no en aquella época) reconozco como sexual. Yo veía a este señor varias veces por semana, porque él trabajaba para mi padre y, a pesar de que no tenía discernimiento para juntar dos más dos (literalmente), sólo me hacía aquello cuando no había más adultos cerca. Me enseñaron que los mayores hacían lo correcto, que debía aceptar las demostraciones de cariño de los mayores sin quejarme, y que tenía que respetar a las personas mayores. Eso me hizo aguantar estas prácticas extrañas, que me dejaba muy incómoda, sin hablar del tema a ningún otro adulto porque creía que no había nada que contar.

Hasta que un día este señor nos llamó a mi hermana y a mi, nos llevó para dentro de una pequeña sala de archivo y nos cerró dentro. Me dijo que me quedara quieta de cara hacia la puerta y, con las rodillas dobladas, pues yo todavía era bastante más baja que él, empezó a frotarse en mi culo, con un movimiento de piernas y caderas. Eso finalmente me hizo desconfiar que algo no estaba bien. A pesar de ser tan pequeña ese episodio me provocó mucha vergüenza. Me acuerdo de decir a mi madre llorando que no quería que mi padre me llevara más a su trabajo. A mi madre le pareció extraño porque de normal me gustaba ir allí, porque me entretenía con máquinas de escribir, calculadoras y otros tesoros tecnológicos a los que no tenía acceso en otro sitio. A mucho costo y después de muchas lágrimas, porque yo tenía vergüenza de poner aquel acto en palabras, le conté a mi madre lo que había sucedido y también conté sobre las otras cosas que me hacía y me parecían raras. Mi hermana confirmó mi historia. Yo tenía tanta vergüenza, que le pedí a mi madre que me prometiera que no diría a mi padre que le habíamos contado todo esto. Tenía tanta vergüenza que no podía soportar tener que hablar con mi padre sobre ello si él me lo preguntara directamente. Mi madre habló con mi padre y le dijo que había escuchado una conversación entre mi hermana y yo sobre aquello. Jamás nos volvieron a dejar a solas con aquel señor, pero él continuó allí por muchos más años.

Volviendo a mi enojo. No, no voy a decir quién fue el pedófilo que me molestó cuando yo era niña, ni sé si aquel hombre todavía está vivo, y de todos modos no tengo ninguna prueba más allá de mis memorias. No estoy enojada con mi madre por no haber tomado medidas más asertivas (las que creo que tomaría si estuviera en su lugar hoy), ni con mi padre por no haber intentado percibir realmente lo que había pasado y por haber dejado que aquel hombre continuara trabajando para él. Mucho menos estoy enojada con my abuela que me obligaba a dar besos a otras personas mayores.

Sé que si hubiera sido educada para saber que las intimidades necesitan consentimiento y que no está bien que una persona mayor, sólo por serlo, pueda exigir un cierto nivel de intimidad física conmigo, en vez de aprender que hay que dar besos a los mayores cuando estos me lo piden u otro adulto lo demanda … si hubiera sido educada para respetarme, y luchar para que me respetaran, en vez de tener que respetar a los mayores, sólo por cuestión de edad … si hubiera sido educada para poner a mis deseos y mi comodidad delante de cualquiera que sea la satisfacción (no percibo realmente) que alguien obtiene por conseguir ganar un beso de un@ niñ@ contrariado … si todo esto hubiera ocurrido así y no de la manera que ocurrió, quizás ni siquiera le hubiera dado la primera oportunidad a este hombre para molestarme y quizás nunca tuviera que pasar por todo esto. Hoy todavía pienso que si no me hubiera asustado tanto con aquel último episodio, uno bastante más traumático podía haberse seguido.

Pero yo tampoco me siento enojada por mi educación no haber sido diferente. Lo que realmente me enoja es que en los días de hoy, con toda la información que tenemos, y con personas finalmente dispuestas a hablar abiertamente de estos temas, todavía hay gente que se niega a cuestionar prácticas ‘normales’ sólo porque las cosas se hicieron así toda la vida. Lo que me enoja es que tanta gente que considero inteligente, sin pensar cinco minutos sobre el tema, tuvo la necesidad de repudiar una opinión que sé que es muy válida.

Cuando alguien intenta forzar a l@s niñ@s a saludarme con un beso, soy la primera en decir que no quiero. Y cuando (si alguna vez) tengo hij@s no voy a obligarl@s a dar besos a los abuelos, ni a las tías, ni a mí misma. Si alguien cree que mis crí@s son maleducad@s por no besar a demanda, problema suyo, no creo que el objetivo deba ser criar títeres, sino educar a seres pensantes.

Barefoot

Barefoot (EN)

Descalz@ (ES)

Descalç@ (PT)

Quando estava a trabalhar em hotelaria em Amesterdão, lembro-me de ver pessoas a andarem descalças não só no interior mas também na rua. Várias foram as vezes em que meti conversa com essas pessoas para tentar perceber o porquê de tal coisa. A maioria delas eram Australianas ou Neozelandesas e, como eu nunca tinha visitado esses dois países, não sabia se era um costume ou apenas coincidência.

Isto para dizer que, naquela altura, só pensava o quão malucas eram aquelas pessoas por andarem descalças… Mas então para que é que a humanidade tinha inventado os sapatos? Não era para prevenir que lesionassemos os pés?

Anos mais tarde mas ainda em Amesterdão, quando comecei a questionar várias coisas, comecei também a mudar muitos dos hábitos que tinha anteriormente. Hábitos esses que daqueles que tod@s nós temos e nunca paramos para questionar pois foi assim que aprendemos. Ainda que os meus horizontes se estivessem a abrir cada vez mais, eu continuava sem perceber esta ideia de andar descalç@.

No Peru conheci uma rapariga brasileira que era tão aventureira, “terra a terra”, um verdadeiro espírito livre e comecei a admirá-la muito. Ela tinha uns sapatos fora do normal, com dedinhos, o que me chamou a atenção. Como ela era esta miúda com muita pinta, eu queria ter uns sapatos como os dela. Então assim que cheguei a casa comprei os meus primeiros “five fingers” da marca Vibram. Posso dizer que a partir desse momento nunca mais os deixei. Usei-os durante todas as minhas viagens, e se tivesse ter que escolher apenas um par de sapatos para usar sempre, esses seriam a minha escolha.

No entanto, só mais recentemente, já a morar em Vancouver é que finalmente mergulhei numa pesquisa que mudou a forma como eu via o calçado. Sim, eu continuava a calçar os meus “five fingers” que se mantinham os sapatos mais confortáveis até à data mas eu não sabia o porquê. Esta minha pesquisa levou-me ao mundo do calçado minimalista e “barefoot”, onde profissionais desta área afirmam que os “sapatos normais”, aqueles que calçamos diariamente (como os da Nike, Aldo, Toms, Ugg, etc.) deformam os nossos pés. No início fiquei um bocado surpreendida mas, sabendo já que outros conceitos convencionais estavam completamente errados, rendi-me completamente a esta nova ideia.

Depois comecei a recordar-me de como eram os pés das pessoas nativas do Peru, Tailândia ou Indonésia, aquelas que viviam na selva ou perto da natureza e que só calçavam chinelos ocasionalmente. @s miúd@s corriam por todo o lado e subiam a árvores descalços. Os pés del@s tinham uma forma estranha a meu ver. Os dedos eram mais separados que os nossos – o que cria estabilidade. Os seus pés tinham arcos fortes – o que está diretamente conectado com as ancas e postura – e também eram rijos e capazes de enfrentar obstáculos sofrendo apenas danos ligeiros. Aposto que se eu fosse andar por ali de pés descalços como eles, ficaria cheia de feridas e lesões em todo o lado.

Bom, se os nossos pés foram como os deles em determinado momento, porque razão os “encapsulamos”?

Aqui está explicado aquilo que fazemos aos nossos pés, e por consequência ao resto do corpo, só por usarmos calçado comum:

  • Os dedos dos pés amontoam-se em cima uns dos outros;
  • O dedo grande do pé tem uma diferença grande em comparação com os outros dedos, no que toca à sua altura;
  • Pés chatos;
  • Deformidades como joanetes, dedos em martelo, unhas encravadas, etc.;
  • Dores e lesões nas costas, pescoço, joelhos e ancas;
  • Os sapatos de salto alto fazem com que os músculos quadríceps sejam mais dominantes tornando os glúteos mais fracos e causam problemas nos joelhos e tornozelos;
  • Bolhas, ferimentos, micoses, maus cheiros etc.

Os pés daqueles que pouco usam sapatos são realmente muito parecidos com os pés dos bebés. Os pés dos bebés ainda são perfeitos, até os começarmos a restringir. Assim crescemos até nos tornarmos adultos com todos os problemas e mais alguns, não só a nível de pés mas também no resto do corpo, e nem temos a mais pequena ideia acerca disso.

Idealmente deveríamos andar mais descalços na natureza ou sempre que tivermos oportunidade (evitando andar descalço em sítios onde pode não ser seguro). O tempo restante, deveríamos ao menos simular andar descalço e para isso temos ótimas opções nos dias de hoje.  O calçado “barefoot” protege os pés de danos, deixando-os respirar, permitindo a separação dos dedos e, acima de tudo, permite que os pés funcionem como se estivéssemos descalços. Este tipo de calçado pode também reverter os danos que sapatos convencionais fizeram aos nossos pés.

Desde que comecei a usar sapatos “barefoot” que deixei de me queixar com dores nos pés. Muitos quilómetros se fizeram com eles calçados, pelo caminho de Santiago, desfiladeiros, grutas, várias caminhadas e os meus pés nunca sofreram com ferimentos ou lesões. A minha irmã Nico pode bem confirmar o que digo pois andámos juntas em muitas destas aventuras. Algumas pessoas que encontrávamos pelo caminho, “metiam-se” connosco por acharem estranho o que levávamos calçado e não conseguiam entender a ideia de que os “sapatos normais” podem de facto ser prejudiciais para nós. Verdade seja dita, essas mesmas pessoas queixavam-se de dores e nós não.

Para o caso de começares a questionar-te sobre calçado “barefoot”, aqui fica um apanhado de informação que te pode ajudar. Elementos que deverás ter em conta quando comprares sapatos: *

  • Rasos: sem salto elevado – o ideal é que não haja nenhuma diferença de altura entre o calcanhar e o resto pé. Os humanos não estão adaptados para andarem com rampas nos pés o dia inteiro e isso contribui para problemas de postura;
  • Flexíveis: se não consegues dobrar, girar e mover os sapatos em todas as direções, irá impedir o movimento do teu pé, criando articulações rígidas e por vezes dolorosas;
  • Suporte do arco: os músculos do teu pé estão lá por alguma razão. Não os enfraqueças com suportes artificiais;
  • Amortecimento: ao contrário do que as marcas querem que tu acredites, amortecedores impedem o teu pé de funcionar da melhor forma e afectam de forma negativa o seu movimento.

* Fonte- The Foot Collective

Barefoot (EN)

Back when I was working in Hotels in Amsterdam, I recall seeing people walking barefoot not just inside the premises but also out in the street. I often nattered with them to figure why would they do such thing. Most of these people were “Aussies” or “Kiwis” and as I had never been in Australia or New Zealand, I couldn’t tell if it was a cultural thing or just coincidence.

This to say that, at the time, I just thought how crazy they were for walking barefoot… I mean, why did humans invented the shoes then? Wasn’t it to prevent us from injuring our feet?

Years latter but still in Amsterdam, when I started questioning various things, I also started changing many habits that I had before. Habits that we have and we would never second guess because that’s how we learned them. Despite getting more and more open minded, I still couldn’t understand the barefoot topic.

In Peru I met a Brazilian girl that was so adventurous, down to earth and a true free spirit and I really admired her for that. She had unusual shoes with fingers that immediately draw my attention. Because she was this kick-ass cool girl, I kind of wanted to have the same shoes. So I went home and bought my first “five fingers” from Vibram. I can say that since then I never left them behind. I brought them to all my trips and if I could only have one pair of shoes, those would be it.

However, it wasn’t up until recently, while living in Vancouver that I truly dived into a research that completely changed the way I saw footwear. Yes, I was still wearing the “five fingers” and they were still the most comfortable shoes I have ever had but I didn’t really know why. My research brought me to minimal footwear and barefoot shoes. These feet experts were saying that our “normal shoes”, the ones that we wear daily (such as from Nike, Aldo, Toms, Ugg etc.) were deforming our feet. At first I was a bit shocked but knowing already that other mainstream things are completely wrong, I completely surrendered to this new idea.

I started to remember how the feet of native people in Peru, Thailand or Indonesia looked like. Those living in the jungle or very close to nature would only occasionally put some flip-flops on. The kids would run around and climb on trees barefoot. Their feet were shaped funny to me. The toes were spread apart – which creates stability. Their feet had arches – which is directly connected with the hips and posture. Their feet were sturdy and could bare all nature obstacles with minor injuries. I bet that if I were to run around barefoot like them, I would get painful cuts and bruises everywhere.

Well, if our feet were just like theirs at some point, why did we “encapsulate” them?

Here is what we have done to our feet and rest of the body by wearing regular footwear:

  • Our toes overlap each other;
  • The big toe has a huge size difference compared to the other fingers, when it comes to its height;
  • Flat arches;
  • Deformities such as bunions, hammer toes, ingrown toenail, etc.;
  • Back, neck, knee and hip injuries or pain;
  • High heeled shoes make quads muscles more dominant and the glutes muscles week & cause knee and ankles problems;
  • Blisters, bruises, mycoses, stinky feet etc.

Native people’s feet are indeed similar to babies feet. Babies feet are still perfect until we start restraining them and then we grow up to adults with all kinds of issues derived from our feet and we don’t even know about it.

Ideally we should walk more barefoot in nature or every time we have a chance (avoiding walking barefoot in the street as it can surely be unsafe). The rest of the time, we should at least mimic what is like to be barefoot and for that we have great options nowadays. Barefoot shoes protect our feet from damage, let them breathe, let the toes spread and above all, allow the feet to function as if we were barefoot. They can also start reversing what regular shoes did to our feet.

Since I started wearing barefoot shoes I stopped complaining of pain in my feet. Many kilometers were done while walking the Camino de Santiago, canyons, caves, hikes and my feet never ended up with bruises or injuries. My sister Nico can confirm as we were together in some of those adventures. People along the way would approach us because they found it rather odd and couldn’t wrap their head around the idea that regular shoes are not proper for us. Truth is, those people complaint of pain and we didn’t.

In case you’ll start questioning about barefoot footwear, here is some homework done to help you. Elements you should look for when buying shoes: *

  • Flat: no elevated heel. Humans aren’t adapted to walking around on ramps all day and it contributes to postural problems;
  • Flexible: if you can’t bend, twist and move a shoe around in every direction it will inhibit movement at your foot creating stiff and sometimes painful joints;
  • Arch support: The muscles of your foot are there for a reason. Don’t weaken them with artificial support;
  • Cushioning: contrary to what shoe companies want you to believe, cushioning actually prevents your foot from working optimally (as a ground sensor) and will negatively affect your movement.

* Resource – The Foot Collective

 

Descalz@ (ES)

Cuando estaba trabajando en hotelería en Amsterdam, recuerdo que veía algunas personas caminando descalzas no sólo en el interior, sino también en la calle. Varias veces empecé conversaciones con esas personas para intentar percibir el porqué de ello. La mayoría de ellas eran Australianas o Neozelandesas y como nunca había visitado estos dos países, no sabía si era una costumbre o apenas coincidencia.
Esto para decir que, en ese momento, sólo pensaba lo locas que eran aquellas personas por ir descalzas … Pero entonces, ¿para qué había la humanidad inventado los zapatos? ¿No era para prevenir que lesionáramos los pies?

Años más tarde pero aún en Ámsterdam, cuando empecé a cuestionar varias otras cosas empecé también a cambiar muchos de los hábitos que tenía anteriormente. Hábitos de esos que tod@s tenemos y nunca paramos para cuestionar pues fue así que los aprendemos. Aunque mis horizontes se abrían cada vez más, yo seguía sin entender esta idea de ir descalzo.

En Perú conocí a una chica brasileña que era tan aventurera, “pies en la tierra”, un verdadero espíritu libre y la admiraba mucho. Ella tenía unos zapatos fuera de lo normal, con deditos, lo que me llamó la atención. Como ella era esta chica muy guay, yo quería tener unos zapatos como los suyos. Conforme volví a casa me compré mis primeros “five fingers” de la marca Vibram. Puedo decir que a partir de ese momento nunca más los dejé. Los usé durante todos mis viajes, y si tuviera que elegir sólo un par de zapatos para usar siempre, esos serían mi elección.

Sin embargo, sólo más recientemente, ya viviendo en Vancouver fue cuando finalmente me sumergí en una investigación que cambió la forma en que veía el calzado. Sí, yo seguía calzando mis “five fingers” que seguían siendo los zapatos más cómodos hasta la fecha, pero no sabía el por qué. Mi búsqueda me llevó al mundo del calzado minimalista y “barefoot “, donde profesionales de la área afirman que los “zapatos normales”, los que calzamos diariamente (como los de Nike, Aldo, Toms, Ugg, etc.) deforman nuestros los pies. Al principio me sorprendió un poco, pero, sabiendo ya qué otros conceptos convencionales estaban completamente equivocados, me rendí completamente a esta nueva idea.

Después empecé a recordar cómo eran los pies de las personas nativas de Perú, Tailandia o Indonesia, aquellas que vivían en la selva o cerca de la naturaleza y que sólo calzaban chanclas de vez en cuando. L@s niñ@s corrían por todas partes y subían a los árboles descalzos. Me parecía que sus pies de tenían una forma rara. Los dedos eran más separados que los nuestros – lo que crea estabilidad, tenían arcos marcados – lo que está directamente conectado con las caderas y la postura – y también eran fuertes y capaces de enfrentarse a obstáculos sufriendo sólo daños ligeros. Me parece que si yo fuera a caminar por allí de pies descalzos como ellos, se me harían heridas y lesiones por todas partes.

Bueno, si nuestros pies fueron como los de ellos en determinado momento, porque razón los “encapsulamos”?

Aquí se explica lo que hacemos a nuestros pies, y en consecuencia al resto del cuerpo, sólo por usar calzado común:

  • Los dedos de los pies se amontonan encima unos de otros;
  • El dedo grande del pie tiene una diferencia grande en comparación con los otros dedos, en lo que toca a su altura;
  • Pies planos;
  • Deformidades como juanetes, dedos en martillo, uñas enclavadas, etc .;
  • Dolores y lesiones en la espalda, cuello, rodillas y caderas;
  • Los zapatos de tacón alto hacen que los músculos cuadríceps sean más dominantes haciendo los glúteos más débiles y causan problemas en las rodillas y tobillos;
  • Ampollas, heridas, hongos, malos olores, etc.

Los pies de gente que no usa zapatos son realmente muy parecidos a los pies de los bebés. Los pies de los bebés todavía son perfectos, hasta que empezamos a restringirlos. Así crecimos hasta llegar a ser adultos con todos los problemas no sólo a nivel de pies, sino también en el resto del cuerpo, y ni lo imaginamos.

Idealmente deberíamos caminar más veces descalzos en la naturaleza o siempre que tengamos oportunidad (evitando andar descalzo en sitios donde puede no ser seguro). El tiempo restante, deberíamos al menos simular andar descalzo, y para eso tenemos óptimas opciones en los días de hoy. El calzado “barefoot” protege los pies de daño, dejándolos respirar, permitiendo la separación de los dedos y, por encima de todo, permite que los pies funcionen como si estuviéramos descalzos. Este tipo de calzado también puede revertir el daño que los zapatos convencionales ha hecho a nuestros pies.

Desde que empecé a usar zapatos “barefoot” que dejé de quejarme de dolores en los pies. Muchos kilómetros se hicieron con ellos calzados, por el camino de Santiago, cañones, cuevas, varias caminatas y mis pies nunca sufrieron heridas o lesiones. Mi hermana Nico puede confirmar bien lo que digo porque hemos estado juntos en muchas de estas aventuras. Algunas personas que encontrábamos por el camino, “se metían” con nosotras porque les parecía raro lo que llevábamos calzado, y no podían entender la idea de que los “zapatos normales” pueden de hecho ser perjudiciales para nosotr@s. La verdad es que esas mismas personas se quejaban de dolores en los pies y nosotr@s no.

Para el caso de empezar a cuestionarte sobre calzado “barefoot”, aquí dejo un recopilado de información que te puede ayudar. Elementos que deberás tener en cuenta al comprar zapatos: *

Planos: sin tacón alto – lo ideal es que no haya diferencia de altura entre el talón y el resto del pie. Los humanos no estamos adaptados para caminar con rampas en los pies todo el día, y eso contribuye a problemas de postura;

Flexibles: si no puedes doblar, girar y mover los zapatos en todas las direcciones, entonces van a impedir el movimiento de tus pies, creando articulaciones rígidas ya veces dolorosas;

Soporte del arco: los músculos de tu pie están allí por alguna razón. No los debilites con soportes artificiales;

Amortiguación: al contrario de lo que las marcas quieren que tú creas, amortiguadores impiden tu pie de funcionar de la mejor forma y afectan de forma negativa a tu movimiento.

* Fuente – The Foot Collective

A fair amount of clothes

A fair amount of clothes (EN)

La ropa necesaria (ES)

A roupa necessária (PT)

Quando estava a viajar no Sudeste Asiático, carreguei com a mesma mochila durante aqueles cinco meses. A mochila não era enorme mas tinha a roupa necessária, suficiente para umas duas semanas. No entanto, estava preparada com roupas para diferentes estações, já que decidia a cada semana qual era o próximo destino. Na semana seguinte o destino poderia levar-me aos Himalaias, onde estava a nevar, e queria estar preparada para uma dessas situações.

Se bem me lembro, levava comigo cerca de trinta peças de roupa (incluindo roupa interior) para a viagem inteira, que poderia durar até um ano.

Trinta itens de roupa pode parecer muito, mas de facto não era assim tanto, quando comparado com a quantidade de roupas que eu tinha deixado em casa.

Até aqui, eu era uma pessoa um pouco consumista e comprava roupas com alguma frequência. Sempre senti a necessidade de comprar outra peça como se me faltasse algo no guarda-fatos. Navegava em sites de roupa online e entrava em lojas quase todas as semanas. Os saldos… esses não os perdia por nada pois poderia encontrar “achados” a um bom preço. Ocasionalmente dava uma vista de olhos por lojas de segunda mão com roupas “vintage” mas acabava por sair de “mãos a abanar”. Por alguma razão, achava estranho ter roupas usadas que já tinham pertencido a alguém em outros tempos.

Durante a viagem, carregar com a mochila às costas fez me decidir manter o mesmo número de peças de roupa, para não ter de transportar mais peso. De cada vez que comprava um item (o que era raro), tinha de me desfazer de outro. Isso fez com que as minhas decisões fossem mais ponderadas e conscientes.

Com esta viagem aprendi uma lição especial, para além de outras tantas, relacionada com os bens materiais. Aprendi que até então acumulava demasiada roupa nos armários e gavetas. Peças essas das quais só me desfazia quando não cabiam mais nas arrumações lá de casa.

Qual é a necessidade de acumular tanta roupa?

Algumas peças ter um significado especial, outras podem voltar a servir um dia e outras são tão únicas que só as usamos “quando o rei faz anos”. Comprar roupa nova em cada estação torna-se num hábito, pois aquelas que temos já não estão na moda ou já não são do nosso gosto..

Se consegui viver cinco meses com as mesmas roupas, será que precisava mesmo das outras que havia deixado de fora?

Olhando para trás, consigo agora analisar como eu pensava relativamente à roupa e outros bens materiais. Acreditava que vestir repetidamente as mesmas roupas significava desleixo, baixa auto-estima, baixo poder de compra, pouca criatividade, não ter estilo próprio, insegurança… e a lista podia continuar. Essa forma de pensar era totalmente inconsciente porque eu nunca me tinha parado a pensar sobre isso…

Comprar roupa era algo que me trazia alegria de alguma forma. Vestir roupa nova num evento especial fazia-me sentir bem.

Sei agora que essas convicções são exatamente aquilo que as grandes marcas e empresas de moda querem que nós tenhamos. Elas tem sucesso por venderem a pessoas que pensam dessa forma.

E depois? Bem, assim que percebermos onde está a rasteira, podemos evitar cair na armadilha.

“Destralhar” é o próximo passo. Tens alguma coisa guardada nos teus armários que só manténs porque talvez um dia possas voltar a gostar ou porque pode vir a dar jeito? Talvez seja hora de dar uma nova casa a esses pertences. A doação é uma ótima opção pois outra pessoa pode querer realmente usar aquilo que tu já não usas.  

Ainda não consegui encontrar o equilíbrio perfeito no que toca aos bens materiais – comprar, manter, desfazer-me deles – mas estou a tentar o meu melhor para tomar melhores decisões quando o assunto é comprar roupa:

  • Evito a todo o custo comprar a grandes marcas com produção “made in” Bangladesh ou outros países em vias de desenvolvimento e sem leis que protejam os trabalhadores destas indústrias. Ao comprar dessas marcas, continuamos a incentivar práticas como a exploração de crianças e adultos que trabalham sem condições e por salários míseros.
  • Não apoio marcas que usem produtos de origem animal, tais como pele, penas, lã etc. nas suas roupas.
  • Dou preferência a pequenas marcas locais, dependendo do sítio onde me encontro no momento da compra. Deste modo apoio a economia local e as pequenas empresas, mesmo que isso signifique pagar um preço maior.
  • Escolho comprar coisas com mais qualidade que me durem mais tempo ou itens de segunda mão.
  • Compro só se houver mesmo necessidade.

Tens ideia da quantidade de roupa que tens? Precisas de toda? Para quê?

 

A fair amount of clothes (EN)

When I was traveling in SE Asia, I carried the same backpack during those five months. It was not a big backpack but had a fair amount of clothes, enough for a couple weeks. However, I was prepared with clothes for both hot and cold weather as I decided where to go next on a weekly basis. I could end up on the Himalayas with snow and I wanted to be equipped just in case.

If I recall, I had about thirty pieces (including underwear) for my entire journey, which at the time I didn’t know when was the end of it and it could last for up to one year.

Thirty items of clothing might sound a lot but in fact, compared to the rest of the clothes I left behind, it wasn’t much.

Up until there, I would buy clothes quite often. I always felt the need to buy another piece as if something was missing in my wardrobe. I would look at online clothing websites and enter in fast fashion stores almost every week. The sales… those I wouldn’t miss as I could purchase good findings with a nice deal. Occasionally I would visit thrift stores with vintage garments but ending up not buying anything. For some reason, it felt strange to have something old that belonged to someone else at certain time.

During my trip, carrying that backpack on my shoulders made me decide to always keep the same amount of clothing, as I didn’t want to add more weight. Every time I bought an item (which was very rare), I had to get rid of another item. It surely made my decisions much more weighted and conscious.

With this trip I learned a special lesson, among many other lessons, related with material belongings. I learned that in the past I was keeping way too many clothing items in my closet and drawers. Items that I would only get rid of/ donate once the capacity of my closet was so full that no more pieces would fit.

What is the need to accumulate clothes?

Some of them might have a special meaning, others may fit again one day and others are so unique that we only wear them once a year. It becomes a habit to buy clothes every season because the ones we have are no longer in vogue or we don’t love them anymore.

If I was able to live five months with the same clothing, did I really need the other items I left behind?

Looking back, I can now analyse my previous believes related to clothing and other material belongings. I believed that wearing the same clothes over and over meant lack of caring, low self-esteem, low purchasing power, lack of creativity, no sense of styling, insecurity and the list goes on. These beliefs were totally unconscious as I was not aware of them.

Buying clothes brought me joy  somehow. Wearing my brand new purchased garments to an event felt amazing.

I know now that those believes are exactly what big companies and corporations want us to have. They thrive because of those believes. Thinking like that is a huge reason to keep buying from them.

Well, guess what? Once you realise it’s all a trap, you can avoid being fooled.

Declutter is the next step. Is there something in your storage that you keep just because you might like it again at some point or can be handy sometime in the future? Time to give those things a new home. Donation is great because someone else will give better use to your stuff than you do.

I still didn’t find the “perfect balance” regarding material belongings – buying, keeping, getting rid of – however am trying my best to make better decisions when buying wearing apparel:

  •      I avoid at all cost to buy clothes from big corporations, made in Bangladesh and other underdeveloped countries. By purchasing from those brands, we keep supporting children exploitation, measly salaries and lack of fair trade.
  •      I do not support brands that use animal products such as skin, feathers, silk, etc. for their outfits.
  •      I choose to buy more local to where I’m living at the moment of my purchase. In this way supporting the local economy and small businesses, even if that means paying a higher price.
  •      I choose to either buy goods that have better quality and will last longer or items that are second hand.
  •      I only buy if it is absolutely necessary.

Are you conscious of all the clothing you possess? Do you need all of them? What for?

 

La ropa necesaria (ES)

Cuando viajaba en el Sudeste Asiático, cargué con la misma mochila durante esos cinco meses. La mochila no era enorme pero tenía la ropa necesaria, lo suficiente para unas dos semanas. Sin embargo, estaba preparada con ropa para diferentes estaciones, ya que decidía cada semana cuál sería el próximo destino. La semana siguiente el destino podría llevarme al Himalaya, donde estaba nevando, y quería estar preparada para una de esas situaciones.

Si lo recuerdo bien, llevaba conmigo cerca de treinta piezas de ropa (incluyendo ropa interior) para el viaje entero, que podría durar hasta un año.

Treinta prendas puede parecer mucho, pero de hecho no era tanto cuando se compara con la cantidad de ropa que yo había dejado en casa.

Hasta aquí, yo era una persona un tanto consumista y compraba ropa con alguna frecuencia. Sentía la necesidad de comprar otra prenda más como si me faltara siempre algo en el guardarropa. Casi todas las semanas entraba en alguna  tienda física o online. Y las rebajas… esas no me las perdía por nada pues podría encontrar alguna ganga. Ocasionalmente echaba un ojo a las tiendas de segunda mano con ropa “vintage” pero acababa por salir de manos vacías. Por alguna razón, me parecía raro tener ropa usada que en el pasado ya había pertenecido a alguien.

Durante el viaje, cargar con la mochila me llevó a decidir mantener siempre el mismo número de prendas, para no aumentar aún más el peso que tenía que transportar. Cada vez que compraba un artículo (lo que era raro), tenía que deshacerme de otro. Esto hizo que mis decisiones fueran más ponderadas y conscientes.

Con este viaje aprendí una lección especial, además de otras tantas, relacionada con los bienes materiales. Aprendí que hasta entonces acumulaba demasiada ropa en los armarios y cajones. Prendas de las que sólo me deshacía cuando no cabían más en las manijas allá de casa.

¿Cuál es la necesidad de acumular tanta ropa?

Algunas prendas pueden tener un significado especial, otras pueden volver a servir un día y otras son tan únicas que sólo las usamos una o dos veces al año. Comprar ropa nueva en cada estación se convierte en un hábito, pues las que tenemos ya no están de moda o ya no nos gustan.

¿Después de vivir cinco meses con la misma ropa, necesitaba toda la que había dejado de afuera?

Mirando hacia atrás, puedo ahora analizar cómo pensaba con relación a la ropa y otros bienes materiales. Creía que vestir repetidamente la misma ropa significaba descuido, baja autoestima, bajo poder adquisitivo, poca creatividad, no tener estilo propio, inseguridad, etc.. Esta forma de pensar era totalmente inconsciente porque nunca me había pensado sobre ello.

Comprar ropa era algo que de alguna manera me traía alegría. Vestir ropa nueva en un evento especial me hacía sentir bien.

Hoy en día sé que esas convicciones son exactamente lo que las grandes marcas y empresas de moda quieren que tengamos. Ellas tienen éxito por vender a las personas que piensan de esa manera.

¿Y después? Bueno, tan pronto como percibimos dónde está la trampa, podemos evitar caer en ella.

El próximo paso el deshacerse de lo que sobra  ¿Tienes alguna cosa guardada en tus armarios que sólo guardas porque quizás un día te vuelva a gustar o porque algun dia puede que vuelva a tener utilidad? Quizás sea el momento de darles una nueva casa a esas pertenencias. La donación es una gran opción, de esa manera otra persona puede realmente usar lo que tu ya no usas.

Todavía no he podido encontrar el equilibrio perfecto en lo que respecta a los bienes materiales – comprar, mantener, deshacerme de ellos – pero estoy tratando de hacer mi mejor para tomar mejores decisiones cuando el tema es comprar ropa:

  • Evito a toda costa comprar de grandes marcas con producción “made in” Bangladesh u otros países en vías de desarrollo y sin leyes que protejan a los trabajadores de estas industrias. Al comprar estas marcas, seguimos fomentando prácticas como la explotación de niños y adultos que trabajan sin condiciones y por salarios míseros.
  • No apoyo a marcas que usan productos de origen animal, tales como piel, plumas, lana, etc. en sus ropas.
  • Doy preferencia a las pequeñas marcas locales, dependiendo del lugar donde me encuentro en el momento de la compra. De este modo apoyo a la economía local ya las pequeñas empresas, aunque esto signifique pagar un precio mayor.
  • Elijo comprar cosas con más calidad y que me duren más tiempo o artículos de segunda mano.
  • Solo compro algo si realmente es necesario.

¿Tienes idea de la cantidad de ropa que tienes? ¿La necesitas toda? ¿Para que?

O algodão não engana

Clean cotton (EN)

El algodón no engaña (ES)

O algodão não engana (PT)

Quantos produtos de beleza, higiene e limpeza diferentes usas no teu dia a dia? Se me recordo bem, eu cheguei a usar: champô, amaciador e máscara para lavar e hidratar o cabelo, mais cera, espuma ou gel para o pentear; pasta dentífrica e elixir para a boca e dentes; sabão ou gel de limpeza específico para a cara, desmaquilhante, tónico e hidratante para além de toda a panóplia de maquilhagem e claro, o perfume. Sem passar do pescoço já podemos estar a falar de pelo menos 15 produtos diferentes!! Quando falamos dos produtos de limpeza da casa o mesmo ocorre. Geralmente usamos um detergente de limpeza especial para cada superfície, um detergente da roupa para cada tipo de tecido, e ainda os ambientadores, os amaciadores e os abrilhantadores.

Mas o que é importante aqui é que utilizamos tudo isto sem realmente nos perguntarmos se é realmente necessário. Mais, não falamos sobre algumas coisas relacionadas com a higiene porque são consideradas tabu e praticamos uma série de contradições sem nenhum cabimento.

Falemos de algumas dessas contradições:

  • Lavamos o cabelo diariamente (ou quase), com uma quantidade de detergente* e afinco que muitas vezes nem despendemos para lavar as mãos antes de ir para a mesa. Se pensarmos um pouco sobre isso, vemos que lavamos os nossos cabelos como se eles andassem diariamente em contacto com superfícies sujas ou contaminadas. Depois de lhes tirarmos todo o seu óleo natural, que está lá para o proteger, substituímo-lo por outros óleos, mais ou menos sintéticos acompanhados de mais perfume. Porque o cabelo não deve cheirar a cabelo, isso não é lá muito civilizado.
  • Lavamos também cara e corpo com bastante detergente* e com uma bela esfrega, da mesma maneira que faríamos se estivéssemos mesmo sujos de lama. E, adivinha, depois de retirarmos, com tanto detergente*, água quente e esponjas esfoliantes, a gordura que a própria pele produz para se auto limpar e proteger, besuntamo-nos com uma mistura de produtos (à que chamamos creme hidratante) que não sabemos o que são, nem o que fazem, mas que certamente não comeríamos, e que a pele absorve e eventualmente acabam por circular dentro do nosso organismo.
  • Usamos desodorantes anti-transpirantes que, além de muitas vezes acentuarem o cheiro da transpiração (ao conjugarem-na com outros cheiros fortes), nos impedem de transpirar, impossibilitando uma função muito importante da pele que nos ajuda a eliminar toxinas (que mais uma vez é um sistema natural de limpeza do corpo).
  • Assoamos-nos com lenços de papel porque os lenços de tecido que se usavam no tempo dos nossos avós não são muito higiénicos. Tão preocupados que estamos de poder espalhar os nossos micróbios e vírus, mas acabamos por nos esquecermos dos lenços de papel enrolados nos bolsos dos casacos. E não, não lavamos as mãos de cada vez que lhes tocamos. O que acaba por fazer deles algo tão higiénico como os lenços de pano que se põe para lavar ao final do dia.
  • Lavamos as t-shirts e as camisas porque as usámos uma, ou vá lá, duas vezes, mesmo que elas não estejam realmente sujas nem com mau cheiro. Mas como já não cheira a “Violetas do Bosque” ou a “Orquídeas Douradas” também já não as consideramos limpas.
  • Compramos detergentes com embalagens diferentes e que expressamente nos são vendidos para um único fim (para o chão, para madeira, para a sanita, para o fogão, etc.), mas na verdade têm mais ou menos todos o mesmo conteúdo a nível de ingredientes. Como ninguém se questiona, as empresas que os vendem fazem muito mais dinheiro e nós enchemos o meio ambiente com uma maior diversidade de embalagens.

Quando comecei a questionar-me sobre as questões da nutrição e da alimentação, também me comecei a interessar pela questão da quantidade de produtos tóxicos que inadvertidamente colocamos no nosso corpo através de todos estes detergentes* e cremes, a quantidade de recursos que desperdiçamos sem necessidade real, e principalmente, a quantidade de vezes que realizamos verdadeiros rituais de limpeza só porque aprendemos (em casa ou através da publicidade) que era assim que se fazia.

Depois de muita pesquisa, experimentação e algumas conversas com a Tico posso dizer que reduzi o meu leque de produtos de limpeza, higiene e beleza para cerca de 10 produtos diferentes no total (falando de produtos para a casa e para todo o corpo). Quando tomo banho só uso sabão em duas os três pequenas zonas do corpo. Lavo o cabelo apenas uma vez por semana, com água corrente e uma solução diluída de vinagre de maçã para suavizar. Apenas lavo a minha roupa se cheirar mal ou tiver alguma sujidade. Uso lenços de pano em vez de lenços de papel. Raramente sinto a necessidade de hidratar a minha pele e quando o faço é com azeite ou com algum óleo natural.

Isto é o que funciona para mim. Sei que para diminuir o meu impacto ambiental, sem comprometer a minha saúde e conforto, ainda há coisas que posso mudar. Aqui a questão não é dizer que eu estou certa e quem não faz o mesmo está equivocado. O meu objectivo é encorajar-te a questionar e não fazer só porque todos o fazem, mas sim porque é o que queres fazer em consciência, porque achas que tens razões para tal. E que essas maneiras de fazer as coisas estejam de acordo com os valores que defendes e com as preocupações sócio-ambientais que tens. Cria os teus próprios rituais!

É que na verdade o “teste do algodão” é um grande engano.

* Nota da autora: a palavra detergente aparece neste texto muitas vezes em substituição de outras como champô ou gel de banho. Essa substituição é propositada pois por um lado esses produtos são exactamente isso – detergentes – e por outro porque a sua composição muitas vezes não difere assim tanto da composição dos detergentes de limpeza da casa.


El algodón no engaña (ES)

¿Cuántos productos diferentes de belleza, higiene y limpieza usas en tu día a día? Si me recuerdo bien, yo llegué a usar: champú, suavizante y máscara para lavar e hidratar el cabello, además de cera, espuma o gomina para peinarme; pasta dentífrica y elixir para la boca y los dientes; jabón o gel de limpieza específico para la cara, desmaquillante, tónico e hidratante además de toda la gama de maquillaje y claro, el perfume. ¡Sin pasar del cuello ya podemos estar hablando de al menos 15 productos diferentes! Cuando hablamos de los productos de limpieza de la casa lo mismo ocurre. Generalmente usamos un detergente de limpieza especial para cada superficie, un detergente de la ropa para cada tipo de tejido, y además los ambientadores, los suavizadores y los abrillantadores.

Pero lo que es importante aquí es que utilizamos todo esto sin realmente preguntarnos si es realmente necesario. Más, no hablamos de algunas cosas relacionadas con la higiene porque son consideradas tabú y practicamos una serie de contradicciones sin ningún sentido.

Hablemos de algunas de estas contradicciones:

  • Lavamos el cabello diariamente (o casi), con una cantidad de detergente * y ahínco que muchas veces no se gasta ni para lavarse las manos antes de sentarse la mesa. – Si pensamos un poco sobre eso, vemos que lavamos nuestros cabellos como si ellos estuvieran diariamente en contacto con superficies sucias o contaminadas. – Después de quitarle todo su aceite natural, que está allí para protegerlo, lo sustituimos por otros aceites, más o menos sintéticos acompañados de más perfume. Porque el pelo no debe oler a pelo, eso no es muy civilizado.
  • Lavamos también cara y cuerpo con bastante detergente * y con un buen fregado, de la misma manera que haríamos si estuviéramos realmente sucios de lodo. Y, adivina, después de retirar, con tanto detergente *, agua caliente y esponjas exfoliantes, la grasa que la propia piel produce para auto-limpiarse y protegerse, nos untamos con una mezcla de productos (a la que llamamos crema hidratante) que no sabemos lo que son, ni lo que hacen, pero que ciertamente no comeríamos, y que la piel absorbe y eventualmente acaban por circular dentro de nuestro organismo.
  • Usamos desodorantes anti-transpirantes que, además de muchas veces acentuar el olor de la transpiración (al conjugarse con otros olores fuertes), nos impiden transpirar, imposibilitando una función muy importante de la piel que nos ayuda a eliminar toxinas (que una vez más es un sistema natural de limpieza del cuerpo).
  • Nos sonamos las narices con pañuelos de papel porque los pañuelos de tela que llevaban nuestros abuelos no son muy higiénicos. Estamos tan preocupados por no esparcir nuestros microbios y virus, pero acabamos por olvidar los pañuelos de papel enrollados en los bolsillos de las chaquetas. Y no, no lavamos las manos de todas las veces que les tocamos. Lo que acaba por hacer de ellos algo tan higiénico como los pañuelos de tela que se ponen para lavar al final del día.
  • Lavamos las camisetas y las camisas porque las usamos una o dos veces, aunque no estén realmente sucias ni con malos olores. Pero como ya no huelen a “Campo de Flores” o a “Frescor y Pureza” tampoco las consideramos limpias.
  • Compramos detergentes con envases diferentes y que expresamente se venden para un único fin (para el suelo, para madera, para el inodoro, para la cocina, etc.), pero en realidad tienen más o menos todos los mismos contenidos a nivel de ingredientes. Como nadie se cuestiona, las empresas que los venden hacen mucho más dinero y quienes los compramos llenamos el medio ambiente con una mayor diversidad de envases.

Cuando empecé a cuestionarme sobre las cuestiones de la nutrición y la alimentación, también gané interés por el tema de la cantidad de productos tóxicos que inadvertidamente colocamos en nuestro cuerpo a través de todos estos detergentes * y cremas, la cantidad de recursos que desperdiciamos sin necesidad real, y principalmente, la cantidad de veces que realizamos verdaderos rituales de limpieza sólo porque aprendemos (en casa o a través de la publicidad) que así que se hace.

Después de mucha investigación, experimentación y algunas conversaciones con Tico puedo decir que he reducido mi gama de productos de limpieza, higiene y belleza para alrededor de 10 productos diferentes en total (hablando de productos para la casa y para todo el cuerpo). Cuando tomo baño solo uso jabón en dos las tres pequeñas zonas del cuerpo. Lavo el pelo sólo una vez por semana, con agua corriente y una solución diluida de vinagre de manzana para suavizar. Solo lavo mi ropa si huele mal o tiene alguna suciedad. Uso pañuelos de tela en lugar de pañuelos de papel. Rara vez siento la necesidad de hidratar mi piel y cuando lo hago es con aceite de oliva o con otro aceite natural.

Esto es lo que funciona para mí. Sé que para disminuir mí impacto ambiental, sin comprometer mi salud y comodidad, todavía hay cosas que puedo cambiar. Aquí la cuestión no es decir que estoy cierta y quien no hace lo mismo está equivocado. Mi objetivo es alentarte a cuestionar y no hacer las cosas sólo porque todos lo hacen, sino porque es lo que quieres hacer en conciencia, porque crees que tienes razones para ello. Y que esas maneras de hacer las cosas estén de acuerdo con los valores que defiendes y con las preocupaciones socio-ambientales que tienes. ¡Crea tus propios rituales!

Es que en realidad el “test del algodón” es una gran estafa.

* Nota de la autora: la palabra detergente aparece en este texto muchas veces en sustitución de otras como champú o gel de baño. Esta sustitución se hace deliberadamente porque, por un lado, estos productos son exactamente eso – detergentes – y por otro, porque su composición a menudo no difiere tanto de la composición de los detergentes de limpieza de la casa.


Fear (Less)

Fear (Less) (EN)

(Menos) Miedo (ES)

(Menos) Medo (PT)

A minha irmã mais nova tem oito anos. Ela gosta de um rapaz da escola mas não sabe como lhe dizer porque teme ser rejeitada – “Mana, então e se ele não gostar de mim? O que é que eu faço?”. Então ela vive com medo de não ser correspondida.

Ainda que sendo uma miúda pequena, já tem medos de gente grande. Eu tentei explicar-lhe que se ele não gostar dela tudo vai ficar bem pois há outros rapazes na escola. Não a convenci. O medo dela fala mais alto do que eu.

Com esta idade, ela ainda não teve ninguém que lhe “partisse o coração”, nem foi rejeitada por outro miúdo e mesmo assim aprendeu de algum lado a ter este medo.

(Intenção de responsabilidade: Eu não sou psicóloga. Esta é só a minha maneira de ver o medo e questionar sobre ele.)

Como muitas outras coisas na vida, o medo é algo que aprendemos através de experiências pessoais ou por observação. Não há bebé ou criança pequena que saiba o significado de medo quando começa a explorar o mundo. Enfiar os dedos numa tomada elétrica não os assusta porque eles não compreendem o perigo que daí advêm. No entanto, se uma criança  apanhar um choque elétrico, entende imediatamente que pode ser perigoso e aprende a ter medo disso.

Podemos ter medo de algo que nos possa provocar dor, ou ponha em risco a nossa integridade física (tal como o exemplo acima) ou medo emocional (medo da rejeição, falhanço, julgamento e assim por diante).

O medo é claramente uma emoção que levou a nossa espécie até aos dias de hoje. Sem ele não sentiríamos a necessidade de fugir de um tigre ou manter uma distância segura perto de uma fogueira. Esses medos tinham uma razão e as pessoas poderiam morrer se eles não existissem, comprometendo a espécie. Mas, à medida que fomos evoluindo, fomos criando mais medos que não fazem o mínimo sentido. Alguns medos não começam com uma má experiência, são sim irracionais e não os conseguimos perceber ou explicar. Podem também ser “herdados” dos nossos pais ou pessoas próximas. E mais, podem ser aprendidos através da sociedade e dos meios de comunicação. Qual é a razão pela qual tantas pessoas têm medo de tubarões e cobras, se nunca na vida se viram em frente a um animal destes?

O medo do desconhecido é tão grande que pode levar a outras fobias: necrofobia (medo da morte),, homofobia (medo de homosexuais), xenofobia (medo de estranhos ou pessoas de outros países), etc.

Como foi dito anteriormente, creio que na maior parte dos casos, esses medos do desconhecido nos são implantados nas nossas mentes pelos média (e provavelmente também por pessoas ignorantes/ negativas à nossa volta).

Os meios de comunicação gostam de mostrar desgraças ao redor do mundo: o homem que matou a mulher e os filhos, o furacão que matou milhares na Ásia, o dilúvio que destruiu dezenas de casas, bla bla bla.Os filmes de terror que nos fazem ter medo de fantasmas, de espíritos, do escuro, dos extraterrestres, das pessoas que usam capuz à noite, etc.

Assim sendo, deveríamos deixar de usar os meios de comunicação para vermos as notícias e programas de entretenimento?

Os média podem ser usados como bons ou maus instrumentos. Os filmes podem entreter-nos ou ensinar-nos algumas coisas e as notícias podem ser úteis para nos manterem atualizad@s. Contudo, qual é a necessidade de ser estar sempre atualizad@?

Faz um par de anos que eu deixei de ver ou ler notícias e não acho que tenha perdido alguma informação importante. Essa informação virá ao meu encontro, mais cedo ou mais tarde, através do “boca em boca”, na maior parte das vezes. A única coisa que eu perdi, foi o facto de ficar preocupada por causa de problemas que não são os meus.

Se virmos ou lermos o que está nos média, ao menos devemos estar conscientes de como essas coisas afectam a nossa vida com negativismo. Se vires as notícias, consegues notar que a tua energia, pensamentos e/ ou ambiente mudam? A tua mente fica depois a “matutar” sobre desgraças e desastres? Então talvez tenhas caído na armadilha que te vai aprisionar nesses pensamentos menos bons.

Se tens medo de algo, houve uma altura na tua vida em que este medo se começou a manifestar. Muitas pessoas têm medo de andar de avião por variadas razões: um voo prévio que não correu bem e as assustou; nunca andaram de avião mas têm uma ideia terrível sobre isso (talvez por causa de filmes/ vídeos sobre desastres com aviões ou talvez tenham ouvido a má experiência de alguém a bordo de um avião); têm medo de alturas, entre outras razões.

Vamos pegar no exemplo da pessoa que tem medo de andar de avião porque teve uma péssima experiência num voo prévio. A questão é: o que é que fez com que a experiência fosse tão má? Foi o medo de um possível acidente? Se um acidente acontecesse, poderia ser evitado? Se não poderia ser evitado, significa que esta pessoa não tinha controlo na situação. Terá medo que as coisas fiquem fora do seu controlo? Qual é a pior coisa que pode acontecer se as coisas saírem do seu controlo? Na pior das hipóteses… morrer? Terá medo de morrer? Morrer não é algo natural? Não iremos todos morrer mais cedo ou mais tarde? Porque é que a pessoa tem medo de andar de avião? (as perguntas podem continuar por aí fora).

Este tipo de questões podem ajudar-nos a chegar à raiz do medo. Não é um simples processo pois o medo pode estar relacionado com traumas, o que faz com que seja mais complicado ainda de se chegar à raiz. Mas poderemos nós entender melhor os nosso medos e tentar desmontá-los?

Os medos não se podem desvanecer de um dia para o outro. Mas já tentaste perceber o que originou os teus maiores medos? Se a resposta for positiva, haverá algo que possas fazer quanto a isso?

“Nada na vida é para ser temido, só é para ser entendido. Agora é a hora de entender mais, para que possamos ter menos medo.” – Marie Curie

Fear (Less) (EN)

My youngest sister is eight years old. She likes a boy and doesn’t know how to tell him because she has the fear of rejection – “Sissy, what if he doesn’t like me? What do I do?”. And so she lives in fear of not being corresponded.

Even though she is just a little girl, has already fears of a grown up. I tried to explain her that if he doesn’t like her, it is ok, there will be other boys out there but I didn’t convince her. Her fear speaks louder than me. In such young age she had never had heartbreaks nor was she rejected by another boy and yet she learned from somewhere to have this fear.

(Disclaimer: I’m not a psychologist. This is only my view on fear to make us question about it.)

Just like many other things, fear is something we get to learn through personal experiences or through observation. No baby or toddler knows the meaning of fear as they start to explore the world. Sticking the fingers into the socket doesn’t scare them because they don’t know the danger of it. Though, if a child gets an electric shock, they became aware of the danger next time and learn to be afraid of it.

We can be physically afraid of something that provokes pain (just like the example above) or emotionally afraid (fear of rejection, failure, judgement and so on).

Fear is certainly an emotion that carried our species till this day. Without it we wouldn’t have the need to run away from a tiger or keep a safe distance from a fire. Those fears had a reason as people could potentially die if they didn’t exist, compromising the species. But as we evolved we only created more fears that are completely non-sense. Some fears don’t start with a bad experience we had but are ratter irrational as we can’t understand or explain them. They can also be inherited from our parents and close ones. And more, they can be learned through society and media. Why are so many people afraid of sharks or snakes if they never encountered one in their entire life?

The fear of the unknown is a big one that can lead to many phobias: necrophobia (fear of death), homophobia (fear of gay people), xenophobia (fear of strange and foreign people), etc.

As said above, I believe that in most cases, those fears of the unknown are implanted in our minds by the media (and probably also by ignorant/ negative people around us).

The mass media likes to show us calamities all around the world: the man that killed the wife and children, the hurricane that killed thousands in Asia, the flood that destroyed dozen of houses, yada yada yada.The horror movies that make us afraid of ghosts, the spirits, the dark, the aliens, people wearing hoodies at night, etc.

Should we then stop watching broadcast media (the news and recreational content)? Media can be used as either good or bad instruments. Movies can entertain us or teach us some things and the news can be useful to get us updated. However, in what extent do you really need to be updated?

I quit watching or reading the news for the last couple of years and think that I haven’t been missing out of any important information. This information will reach me sooner or later by word-of-mouth most times. The only thing I miss out is getting worried because of problems that are not mine.

If we watch/ read media, at least we should be aware of how those things affect our lives daily with negativity. If you watch the news, can you notice if your vibe, energy and/ or thoughts change? Does it keep your mind busy afterwards thinking about catastrophes or calamities? Then you probably slipped on a pitfall that will keep you trapped with those thoughts.

If you are afraid of something, there was a time in your life when this fear started showing up. Many people are afraid of flying on an airplane and it can have multiple reasons: there was a previous flight that didn’t go well and scared them; they never flew before but have a dreadful idea about it (perhaps due to movies/ videos with airplane disasters or maybe someone told them a bad experience aboard an aircraft); they are afraid of heights and so forth.

Let’s grab the example of a person that is afraid of flying because of a bad experience in a previous flight. The question is: What made that experience so awful? Was it the fear of a possible accident? If an accident could happen, could they avoid it? If they could not avoid the accident it means that they were not in control. Is the person afraid of letting things out of their control? What is the worst thing that can happen if things get out of their control? Is the worst case scenario… death? Is the person afraid of dying? Isn’t dying a natural thing? Aren’t we all going to die sooner or later? Again, why is this person afraid of flying? (The questions can continue on and on).

Those kind of questions can help us get to the root of the fear. It is not a simple process as fear can be related with traumas, which makes it harder to get to the root. But can we understand better our fears and try to disassemble them?

Our fears cannot be erased overnight. But have you tried to understand what originated your biggest fears in the first place? If so, can you do something about it?

“Nothing in life is to be feared, it is only to be understood. Now is the time to understand more, so that we may fear less.” – Marie Curie

(Menos) Miedo (ES)

Mi hermana pequeña tiene ocho años. Le gusta un chico de la escuela pero no sabe cómo decirle porque teme ser rechazada – “Hermanita, ¿entonces y si yo no le gusto a él? ¿Qué hago? “. Esto la hace vivir con miedo el miedo de no ser correspondida.

Aunque siendo una niña pequeña, ya tiene miedos de gente grande. He intentado explicarle que si no le gusta, todo va a ir bien, porque hay otros chicos en la escuela. No la convencí. Su miedo habla más alto que yo.Con esta edad, ella todavía no tuvo nadie que le “partiera el corazón”, ni fue rechazada por otro niño pero aún así aprendió de alguna parte a tener este miedo.

(Intención de responsabilidad: No soy psicóloga. Esta sólo es mi manera de ver el miedo y cuestionarme sobre él.)

Como muchas otras cosas en la vida, el miedo es algo que aprendemos a través de experiencias personales o por observación. No hay bebé o niño pequeño que sepa el significado del miedo cuando empieza a explorar el mundo. Meter los dedos en una toma eléctrica no los asusta porque ellos no comprenden el peligro que hay en hacerlo. Sin embargo, si un@ niñ@ recibe una descarga eléctrica, entiende que puede ser peligroso y aprende a tener miedo de ello.

Podemos tener miedo físicamente de algo que nos provoque dolor o ponga en riesgo nuestra integridad física (tal como el ejemplo anterior) o miedo emocional (miedo al rechazo, fracaso, juicio y así sucesivamente).

El miedo es claramente una emoción que ha llevado a nuestra especie hasta los días de hoy. Sin él no sentiríamos la necesidad de huir de un tigre o mantener una distancia segura cerca de una hoguera. Estos miedos tenían una razón y la gente podría morir si no existieron, comprometiendo la especie. Pero, a medida que fuimos evolucionando, fuimos creando más miedos que no tienen el mínimo sentido. Algunos miedos no empiezan con una mala experiencia, son irracionales y no los conseguimos percibir o explicar. Pueden también ser “heredados” de nuestros padres o personas cercanas. Y más, se pueden aprender a través de la sociedad y los medios de comunicación. ¿Cuál es la razón por la cual tantas personas tienen miedo de tiburones y serpientes, si nunca en la vida se vieron frente a un animal de éstos?

El miedo a lo desconocido es tan grande que puede llevar a otras fobias: necrofobia (miedo a la muerte), homofobia (miedo de homosexuales), xenofobia (miedo de extraños o personas de otros países), etc.

Como se ha dicho anteriormente, creo que en la mayoría de los casos, estos miedos de lo desconocido son implantados en nuestras mentes por los medios (y probablemente también por personas ignorantes / negativas a nuestro alrededor).

A los medios de comunicación les gusta mostrar desgracias alrededor del mundo: el hombre que mató a la mujer y los hijos, el huracán que mató a miles en Asia, el diluvio que destruyó decenas de casas, bla bla bla. Las películas de terror que nos hacen tener miedo de fantasmas, de espíritus, de la oscuridad, de los extraterrestres, de las personas que usan capucha por la noche, etc.

Por lo tanto, deberíamos dejar de usar los medios de comunicación para ver las noticias y programas de entretenimiento?

Los medios se pueden utilizar como buenos o malos instrumentos. Las películas pueden entretenernos o enseñarnos algunas cosas y las noticias pueden ser útiles para mantenernos actualizados. Sin embargo, ¿cuál es la necesidad de estar siempre actualizad@?

Hace un par de años dejé de ver o leer noticias y no creo que haya perdido ninguna información importante. Esta información vendrá hasta mi, tarde o temprano, a través del “boca en boca”, la mayor parte del tiempo. La única cosa que perdí, fue el hecho de estar preocupada por problemas que no son los míos.

Si vemos o leemos lo que está en los medios, al menos debemos estar conscientes de cómo esas cosas afectan a nuestra vida con negativismo. Si ves las noticias, puedes notar que tu energía, pensamientos y / o ambiente cambian? ¿Tu mente se queda después  sobrecargada con pensamientos sobre desgracias y desastres? Entonces quizás hayas caído en la trampa que te aprisiona en esos pensamientos menos buenos.

Si tienes miedo de algo, hubo una altura de tu vida en la que este miedo se empezó a manifestar. Muchas personas tienen miedo de viajar en avión por varias razones: un vuelo previo que no corrió bien y las asustó; nunca viajaron en avión pero tienen una idea terrible de ello (quizás a causa de películas / vídeos sobre desastres con aviones o quizás hayan escuchado la mala experiencia de otra persona); tienen miedo de alturas, entre otras razones.

Tomemos el ejemplo de la persona que tiene miedo de viajar en avión porque tuvo una pésima experiencia en un vuelo previo. La cuestión es: ¿qué ha hecho que la experiencia fuera tan mala? ¿Fue el miedo a un posible accidente? Si se produjo un accidente, podría evitarse? Si no se podría evitar, significa que esta persona no tenía control en la situación. ¿Tendrá miedo de que las cosas queden fuera de su control? ¿Cuál es la peor cosa que puede suceder si las cosas salen de su control? En el peor de los casos … morir? ¿Tiene miedo de morir? ¿Morir no es algo natural? ¿No todos morir antes o después? ¿Por qué la persona tiene miedo de volar en avión? (las preguntas pueden continuar por ahí).

Este tipo de preguntas pueden ayudarnos a llegar a la raíz del miedo. No es un simple proceso porque el miedo puede estar relacionado con traumas, lo que hace que sea más complicado aún de llegar a la raíz. Pero ¿podemos entender mejor nuestros miedos y tratar de desmontarlos?

Los miedos no se pueden desvanecer de un día para otro. Pero ya has intentado percibir lo que originó tus mayores miedos? Si la respuesta es positiva, ¿hay algo que puedas hacer en cuanto a eso?

“Nada en la vida es para ser temido, sólo es para ser entendido. Ahora es el momento de entender más, para que podamos tener menos miedo.” – Marie Curie